“Meu namorado gosta de se vestir de mulher”
   Blog Diversidade   │     30 de maio de 2014   │     12:00  │  5

Taras, fetiches e fantasias. Na sua opinião, há algo errado nisto ? Veja o depoimento abaixo. 
“Fátima”.  Namoro há um ano e meio e nos damos bem na cama. No mês passado fui fazer uma surpresa de aniversário para o meu namorado e descobri dentro do armário umas roupas novas de mulher, com a etiqueta e tudo. Ao pressioná-lo, ele jurou que não tinha uma amante e acabou confessando que gosta de se vestir de mulher, faz isso desde pequeno. Disse que não é gay e que nunca transou com um homem. Fala que gosta de mulher, que gosta de mim. Foi um choque, não sei em que acreditar. O que eu posso fazer? Ignoro esse “gosto” dele ou devo terminar o namoro? Por favor me ajude, obrigada.”Quando esse segredo vem à tona, a situação geralmente é estressante, conflituosa. Nem todo par entende a prática, porque ela se distancia da representação dos papéis de homem e de mulher: comportamentos, gestos, modos de se vestir, de falar.Mesmo num país como o nosso, onde homens e mulheres se expressam de diferentes formas, ainda há o impacto, o choque com a descoberta. Já é complicado entendermos certos aspectos da nossa sexualidade; do outro, é mais difícil. Estamos carregados de tabus e preconceitos que limitam o nosso entendimento, além da falta de conhecimento.Não é diferente quando o assunto é crossdressing ou CD (abreviação). Crossdressing é um termo usado para definir pessoas que usam roupas e objetos associados ao sexo oposto.O termo é atual, mas a história relata mulheres que se travestiam de homens e o inverso também na Antiguidade, e nas idades Média e Moderna. Porém, é difícil dizer o que era por erotização ou uma forma encontrada para participar de segmentos da sociedade exclusivos ao sexo oposto. A prática como hoje acontece, só apareceu no início do século 20.Para a psicóloga Jaqueline Gomes de Jesus, doutora em psicologia social, crossdresser é um termo “variante de travesti, para se referir a homens heterossexuais, comumente casados, que não buscam reconhecimento e tratamento de gênero (não são transexuais), mas, apesar de viverem diferentes papéis de gênero, tendo prazer ao se vestirem como mulheres, sentem-se como pertencentes ao gênero que lhes foi atribuído ao nascimento e não se consideram travestis.” Ainda revela que “a vivência promove uma satisfação emocional ou sexual.”A “montagem”, geralmente acontece em local privado, com ou sem a aprovação da parceira. Na maioriadas vezes é fora da residência e em clubes próprios para a prática, a fim de manter o segredo, pela culpa, medo ou vergonha.A psicóloga Eliane Chermann Kogut, doutorada no assunto, revela que em sua pesquisa encontrou Cross-dressing, heteros e bissexuais. Mas podem existir homossexuais, porém não é comum.Segundo, a psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade da Universidade de São Paulo, ainda há muito que conhecer sobre o assunto, mas ela diz que o desejo de se “montar” pode se manifestar em qualquer fase da vida do indivíduo, sumir ou permanecer ao longo dela.

Há casais, que tomam a prática como uma ampliação do universo emocional. Algumas esposas passam a compartilhar o guarda-roupas porque entendem que é uma fantasia e a experiência, muitas vezes, é usada para apimentar a vida sexual do casal.

Cara leitora, reuni de forma bem resumida os dados sobre o assunto para que você tenha um melhor entendimento e para que isso auxilie na sua decisão.

Converse mais com ele e, se possível, tenha alguma convivência no mundo dos CDs ou Cross-dressing. Mas, sinta o seu limite. Às vezes queremos ser descoladas e atiradas para o novo, mas ainda não é possível. Avalie suas expectativas e sentimentos. Só assim terá a resposta.

 
Fonte: Revista Dellas

Tags:, , , , , , , ,

>Link  

COMENTÁRIOS
5

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Lika

    Adoro o universo feminino, comecei com esta pratica por ‘vontade’ de minha mulher ou fetiche sei la, no começo eram so calcinhas, dai passei a usar direto, depois ela foi incrementando mais peças do vestuário feminino, depois maquiagem, salto, depilaçao e essas coisas, ela diz que adora ter uma amiga pra conversar sobre moda, homens… tudo. To escrevendo de mini saia, cinta liga, top, to bem gostosinha, como disse ela… qproveite e curta… bjs

    Reply
  2. Lika

    Começou como fetiche dela, comecei a usar calcinhas e tops… adorei, depois começamos a incrementar com novas peças. Adoro vestidos curtos e justos, com salto alto e peitinhos modelados por nós, de vez em quando saimos a noite desse jeito, é muito louco e gostoso, ja fomos ‘cantadas’ juntas e ela me chama de Lika… Ela diz que adora uma amiga para conversarmos sobre moda, novelas e homens…

    Reply
  3. Junior

    olá não estou aqui pra julgar, ninguem mais desacredito que umas pessoa possa ser Hetero e uma CD ao mesmo tempo… mais respeito quem acredita nessa ideia e defende a mesma, eu sou homoxesual e passei a usar, mais apenas calçinha que sinto vontade.

    Reply
  4. Solange Freitas Tatyana Jorge Janaina Honhe

    Eu amo ser mulher.
    Eu saio de vestido, calça bailarina, saia, camisola, shortinho curto, saia curta e salto alto.
    E eu adoro.
    Eu me chamo Solange.
    E eu saio com as roupas da minha mulher.
    E ela adora.
    Ela ama ter uma amiga.

    Reply
  5. homemcalcinhasorocaba sp

    Tenho cara voz jeito de macho mas na intimidade uso calcinha e enfio consolos no cu, gozo assim sozinho.Quero te conhecer para me enrabara
    usando consolo preso na cintura.
    Depois que eu te fizer gozar gostoso vc me enraba

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *