Morre filho de casal gay agredido em escola pública de São Paulo
   Blog Diversidade   │     10 de março de 2015   │     0:00  │  2

Peterson Ricardo de Oliveira, de 14 anos, foi agredido por rapazes pelo simples fato de ter como pais adotivos um casal gay

Peterson Ricardo de Oliveira, de 14 anos, foi agredido por rapazes pelo simples fato de ter como pais adotivos um casal gay

Os sinais começam aparecer aqui e ali, mas é cada vez mais nítido que o discurso de ódio fundamentalista está colhendo frutos e sendo usado como desculpa para discriminar, excluir, massacrar e agredir não só homossexuais mas sim a todos que não se adequem aos padrões tradicionais impostos por este satanismos desacelerado, camuflado em liberdade religiosa. Outros fatores como a cultura machista, racista, heterossexista e a ausência de políticas publicas, ainda vista como socialmente normal em nosso cotidiano, ainda majoritariamente contribui e muito com o aumento da homofóbica.

O adolescente Peterson Ricardo de Oliveira, de 14 anos, agredido no dia 5 deste mês simplesmente por ter como pais adotivos um casal de homossexuais, em São Paulo, é um exemplo escancaradamente comprovável e fundamentado, de como essas ações homofóbicas vistas ainda normal podem massacrar vidas.

Peterson não resistiu aos inúmeros golpes que recebeu na cabeça, e infelizmente veio a óbito na tarde de ontem, segunda-feira (9). Ele estava em coma desde a semana passada após se envolver em uma confusão em uma escola pública na Vila Jamil, em Ferraz de Vasconcelos, Grande São Paulo, no dia 5 deste mês.

“Eu não sabia que meu filho sofria preconceito por ser filho de um casal homossexual. O delegado que nos informou. Estamos tristes e decidimos divulgar o que aconteceu para que isso não se repita com outras crianças”, disse  aos prantos Márcio Nogueira, um dos pais do garoto.

Peterson estudava na mesma escola desde os seis anos. Um irmão de 15 anos, que frequenta o mesmo colégio, presenciou a agressão e confirmou que ele e o irmão sempre foram alvo de insultos em virtude de não se adequarem aos padrões familiar imposto pela sociedade.

Segundo o delegado Eduardo Boiguez Queiroz, da delegacia de Itaquaquecetuba, o adolescente brigou com alguns garotos na entrada da escola e passou mal quatro horas depois. Ele brincou, assistiu aula e depois passou mal. Ele já tinha um aneurisma.

A Secretaria Estadual de Educação e a Secretaria Estadual de Saúde negam a versão da família. Em nota, a Secretaria Estadual de Educação informou que não há nenhum registro de agressão no interior da unidade onde o adolescente estudava.

Infelizmente Peterson Ricardo de Oliveira é mais um pobre jovem que entra para a triste e sangrenta estatística de homofobia deste pais,   pesquisas recentes, como o estudo Discriminação em razão da Orientação Sexual e da Identidade de Gênero na Europa, do Conselho da Europa, identificaram que como resultado do estigma e da discriminação na escola, jovens submetidos ao assédio homofóbico são mais propensos a abandonar os estudos. Também são mais predispostos a contemplar a automutilação, cometer suicídio e se engajar em atividades ou comportamentos que apresentam risco à saúde, também foi constatado que jovens gays, são as maiores vitimas do bullying nas escolas.

Ações afetivas, positivas e afirmativas poderiam mudar essa triste realidade,  a exemplo do kit de combate à homofobia nas escolas “KIT ESCOLA SEM HOMOFÓBIA”  que foi desenvolvido por diversas entidades não governamentais, com a supervisão do Ministério da Educação, para ser distribuído a alunos do ensino médio de 6 mil escolas públicas, infelizmente após pressão da bancada religiosa no Congresso Nacional, a presidente vetou o material – composto por vídeos, cartilhas e manuais de orientação aos professores – em maio de 2011. Segundo Dilma, o kit era inadequado e fazia propaganda de orientações sexuais.

Vale também salientar, que o kit foi aprovado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), que fez um alerta para a necessidade de combater o preconceito contra homossexuais nas escolas. Em entrevista a imprensa na época, a educação preventiva da Unesco no Brasil, Rebeca Ontero, disse esperar que as orientações da entidade sobre o tema fosse levado em conta pelo governo brasileiro, já que a homofobia é um problema crescente nas instituições de ensino do País. Infelizmente mais uma vez o governo brasileiro não deu ouvidos e ignorou o anseio das vitimas e o apelo da ONU.

E ai, quem responderá juridicamente pelo aceitamento de cada pessoa vitima de homofobia neste país,  e  pagará pelas vidas ceifadas ?  Com a palavra a bancada fundamentalista e a presidente Dilma Rousseff !

 

Tags:, , , , , , , ,

>Link  

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Antonio

    Liberdade religiosa não tem haver com crime. Uma coisa é a liturgia da nossa religião cristã, entre as quais defendemos a vida. Em outras no mundo existem punições para todos que são diferentes no cristianismo não, existe acolhimento, o que não quer dizer que nossa fé concorda com tudo. Deus conforte a família do Peterson, pois creio que independente de serem homo ou hetero seus pais o amavam. E que a polícia apure a verdade dos fatos. Não estamos a procura de pessoas para apedrejar estamos a procura de pessoas para levar a mensagem do Evangelho de Cristo.

    Reply
  2. Antonio

    Liberdade religiosa não tem haver com crime. Uma coisa é a liturgia da nossa religião cristã, entre as quais defendemos a vida. Em outras no mundo existem punições para todos que são diferentes no cristianismo não, existe acolhimento, o que não quer dizer que nossa fé concorda com tudo. Deus conforte a família do Peterson, pois creio que independente de serem homo ou hetero seus pais o amavam. E que a polícia apure a verdade dos fatos. Não estamos a procura de pessoas para apedrejar estamos a procura de pessoas para levar a mensagem do Evangelho de Cristo.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *