O que esta por trás desta falsa moral e maus costumes ?
   Blog Diversidade   │     3 de setembro de 2015   │     16:51  │  0

Amanhã, sexta-feira, dia 4 de setembro de 2015, às 9h, na Câmara Municipal de Vereadores de Maceió haverá uma audiência pública para debater o Plano Municipal de Educação, ofuscado quase na sua totalidade pelo destaque atribuído à questão de gênero, diversidade e temas transversais de forma leviana. Os movimentos sociais, sindicais, religiosos, culturais, acadêmicos se mobilizam nessa data, para manifestar seu apoio ao PME e ratificar sua contribuição para a garantia de uma Educação laica, inclusiva e democrática, no Estado de Alagoas.

A sociedade precisa questionar as seguintes questões: Porque religiosos entre outros que se dizem defensores da moral e dos bons costumes se opõem contra um trabalho de denuncia da pedofilia; porque a bancada fundamentalista não quer discutir uma politica de redução da exploração sexual, abuso sexual e violência nas escolas; e mais, quem fortalece financeiramente esta ação; quem esta por trás de tudo isto; e quais são os interesses dessas pessoas.

A defesa da família é a palavra de ordem nas diversas manifestações de setores organizados de igrejas de matriz cristã, contra a inventada “ideologia de gênero” nos Planos de Educação Estadual e Municipais. No estado de Alagoas, há uma movimentação institucionalizada que se diz guardiã “da moral e dos bons costumes das famílias de bem” que, na verdade, buscam confundir a sociedade divulgando cartilhas falsas como material didático imposto pelo governo federal, entre outros materiais que deturpam a realidade. .

É possível rememorar que essa palavra de ordem remete ao nazismo representado por seu máximo líder Hitler, como afirma Rothermere (180-183): “Ele coloca no mais alto pedestal o valor da família, enquanto o comunismo é seu maior inimigo. Ele restabelece os saudáveis preceitos morais e os bons costumes na Alemanha. Ele proíbe livros com conteúdos obscenos assim como representações discutíveis sobre o palco e em filmes”.

Não por menos, preocupadas com a seriedade da celeuma e histeria coletiva das famílias diante das falsas informações, algumas organizações sociais se veem com a responsabilidade de levar uma Representação ao Ministério Público Federal solicitando averiguação acerca de falsidade ideológica, pelas cartilhas, com a logomarca do MEC, divulgadas nas mídias como material didático produzido pelo ministério e de publicização de material pornográfico com imagens de crianças, nas referidas cartilhas. A Polícia Federal abriu inquérito para apuração dos fatos.

Esse é um contexto adverso à aprovação do Plano Decenal de Educação de Maceió 2015-2025, elaborado pela Secretaria Municipal de Educação de forma séria, responsável e comprometida como os eixos norteadores definidos em fóruns legítimos e sob parâmetros legais e acadêmicos.

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *