O histórico da repressão e resistência do movimento LGBT+ ao longo da ditadura
   8 de junho de 2022   │     15:24  │  0

A exaltação do período ditatorial brasileiro pelo governo Bolsonaro demonstra a extrema necessidade de prosseguir as discussões e os debates acerca dos direitos humanos e fundamentais que são, continuamente, cada vez mais atacados pelas práticas políticas do presidente e seus aliados.

No mês do orgulho LGBT, ainda têm-se muitos impasses para que se possa, de fato, celebrar tais vivências no Brasil. O fanatismo religioso, os ataques às instituições democráticas e a ascensão de um conservadorismo ferrenho são os alicerces que sustentam uma mentalidade retrógrada em grande parte do povo brasileiro. Embora a criminalização da LGBTfobia tenha sido um avanço, ainda é necessário a implementação de medidas que transmitam também para a realidade concreta o combate à intolerância.

Nesse sentido, cabe rememorar a trajetória de um grupo que teve papel fundamental na luta política e social durante a  ditadura militar, e que contribuiu também para o processo de redemocratização do país. Relembrar tal história é extremamente significante para o estabelecimento de uma posição política que se estrutura a partir do reconhecimento da importância da conquista e da manutenção de direitos, ponto essencial para combater o atual governo.

Ditadura militar e Repressão

A ditadura militar no Brasil (1964-1985) foi instaurada após uma série de imbricados eventos que culminaram no golpe de Estado que depôs o presidente João Goulart em 31 de março de 1964, arquitetado por militares das Forças Armadas e apoiado por diversos setores da sociedade, como a igreja católica, o empresariado e latifundiários. O regime autoritário foi classificado como necessário por tais grupos para impedir o suposto avanço do comunismo no país, representado pelas reformas de caráter popular de João Goulart.

A partir desse cenário, uma junta militar assumiu o poder do país, iniciando um período da história brasileira marcado por repressões à liberdade de expressão e aos direitos políticos e sociais, além de uma intensa perseguição àqueles que desafiassem se opor ao regime autoritário ou aos ideais defendidos por seus apoiadores. Desse modo, qualquer indivíduo que se excluísse dos padrões heteronormativos foi violentamente reprimido – censura, prisões arbitrárias e tortura foram apenas algumas das estratégias instrumentalizadas pelo governo militar para a repressão desses grupos sociais. As práticas governamentais autoritárias moldadas a partir do conservadorismo e da moralização foram responsáveis por difundir a ideia de que o comportamento degenerativo estava associado às pessoas LGBT’s, inimigos do Estado e da ordem política sob o foco de vigilância e suspeição por parte do regime. Apesar da repressão da população LGBT pelo Estado, surgiram formas de resistência que marcaram a história da comunidade no Brasil e devem ser mencionadas.

Resistência, luta e crescimento do movimento LGBT

A partir da década de 60, teve início a mobilização do movimento LGBT em defesa de seu reconhecimento e de seus direitos e contra o preconceito e a opressão da ditadura civil-militar. Ney Matogrosso e os grupos musicais Secos & Molhados e Dzi Croquettes, além de outros artistas, surgiam em palco trajando roupas consideradas femininas e colocavam em reflexão os papéis masculino e feminino ao público.

A imprensa alternativa também teve papel importante na oposição à ditadura, sendo um espaço de resistência que denunciava os abusos que eram cometidos pelo governo militar. Nesse espaço, o jornal Lampião da Esquina surgiu representando a população LGBT.

O Lampião da Esquina foi um jornal voltado para o público LGBT que circulou de 1978 até o início da década de 80, abordando assuntos relacionados à sexualidade, política, cultura e denúncias contra a violência homossexual praticada pelo regime militar. O jornal visava informar e resgatar “o fato de que os homossexuais são seres humanos e que, portanto, têm todo o direito de lutar por sua plena realização, enquanto tal”.

Esse tipo de imprensa sofreu com a censura e perseguição devido às críticas ao período militar. Além disso, para o regime, qualquer princípio que se desvirtuasse de seus conceitos conservadores e do que consideravam “moral”  poderia ser alvo de represálias e censuras. Por isso, o Lampião da Esquina, por ser um jornal da imprensa alternativa e com conteúdo alternativo ao considerado “adequado” pelo regime, foi acusado de atentado à moral e aos bons costumes e enquadrado na Lei de Imprensa.

Além do Lampião, o Grupo SOMOS: Grupo de Afirmação Homossexual, marcou a resistência LGBT, sendo a primeira organização politizada de gays e lésbicas no Brasil. Fundado em 1978, o Somos foi o primeiro coletivo brasileiro que visava defender os direitos da comunidade LGBTs em todos os âmbitos da vida social. O grupo promovia a consciência pessoal, reforçava a identidade com base em dados e vivências, fazia pesquisa e ativismo, fazendo ponte entre o grupo e as situações, pessoas e entidades externas.

O Grupo de Ação Lésbico Feminista (GALF) também fez história na resistência LGBT no período militar. O GALF realizou a primeria manifestação lésbica brasileira, ocorrida em 1983. Em julho do mesmo ano, militantes do grupo estavam vendendo o Boletim Chana com Chana – publicação ativista lésbica do Brasil – dentro do bar conhecido como Ferro’s, principal ponto de encontro das lésbicas. O proprietário quis expulsá-las, proibindo-as de vender os boletins. Nos próximos dois meses que se seguiram, enfrentavam resistência e ameaça por parte do porteiro que as tentava retirar dali. Assim, as lésbicas decidiram pela retomada do Ferro’s Bar e marcaram essa ação política para a noite de 19 de agosto do mesmo ano. A data ficou marcada como Dia Nacional do Orgulho Lésbico.

Durante as fases finais da ditadura militar, um certo episódio causou bastante comoção entre a população e a comunidade LGBT. Ocorreu a intensificação de rondas de policiamento ostensivo na área central de São Paulo, região sob o comando do delegado José Wilson Richetti. Essas rondas tinham como objetivo “limpar” a área central da presença de prostitutas, travestis e homossexuais.

A Ordem dos Advogados do Brasil se manifestou por meio da Folha de São Paulo, formando uma comissão de conselheiros para elaborar nota de repúdio às violências policiais praticadas sob comando do delegado Wilson Richetti. O Lampião também trouxe textos com denúncias sobre a repressão do delegado. Assim, no dia 13 de julho de 1980, em frente ao Teatro Municipal, foi feito um ato público que reuniu os movimentos sociais, como o LGBT, de mulheres, estudantil e negro, contra a violência policial de Richetti. Em uma carta aberta à população, assinada por 13 entidades, pediam a destituição de Richetti do comando da Delegacia Seccional. Segundo relatório da Comissão da Verdade, essa foi a primeira grande mobilização política do movimento LGBT brasileiro, sendo precursora da Parada do Orgulho LGBT.

A Comissão Nacional da Verdade

As Comissões da Verdade são instauradas pelo Estado, em períodos de transição política, para investigar situações de violações de direitos humanos ocorridas em seu território. Elas buscam analisar as circunstâncias nas quais se passaram esses ataques, desvendando os fatos que, muitas vezes, foram encobertos ou distorcidos pelo próprio Estado.  Diante disso, integrando parte dos eixos da Justiça de Transição, objetiva-se reconhecer,reparar e proteger essas vítimas de futuras violações de direitos e de se evitar a ascensão de novos governos autoritários, a partir da elaboração de relatórios e recomendações, com sugestões de reformas institucionais, revisões constitucionais e criação de instrumentos para consolidação da democracia.

No Brasil, a criação da CVN se deu com a elaboração de um Projeto de Lei pelo Governo Federal que foi enviado pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva ao Congresso Nacional, com a consequente promulgação da Lei 12528/2011 em 18 de novembro de 2011. Em 16 de maio de 2012, a Comissão foi designada com a função de investigar e esclarecer as atrocidades cometidas pelos governos militares contra os Direitos Humanos ocorridas entre 1946 e 1988.

Contudo, as investigações, inicialmente, não se preocuparam diretamente em abarcar os movimentos de minorias sociais ligadas à comunidade LGBT, de modo que as formas de resistência realizadas por movimentos representativos desse segmento, não eram recorrentes no trabalho de Memória e Justiça no Brasil.  Somente a partir da realização da 98º audiência pública da Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva” (CEV de São Paulo), em 26 de novembro de 2013, com o tema “Ditadura e homossexualidade: resistência do movimento LGBT” que se começa efetivamente as discussões sobre a repressão às pessoas LGBTs durante esse regime autoritário.

Posteriormente, os membros da Comissão Nacional da Verdade realizaram uma segunda audiência, em conjunto com a CEV de São Paulo, intitulada “Ditadura e Homossexualidade no Brasil”. Em parceria com o Memorial da Resistência, essa audiência aconteceu em 29 de março de 2014. Com a presença de diferentes setores dos movimentos sociais de direitos humanos e LGBTs, ativistas que vivenciaram esse momento ditatorial e pesquisadores do tema foram responsáveis por retratar as variadas formas de repressão sofridas por essa minoria e seus instrumentos de resistência.

Após essas discussões, a Comissão Nacional da Verdade estabeleceu em seu relatório a recomendação 23, específica contra a discriminação do grupo LGBT que prescreve, entre outras medidas, a criminalização da homolesbotransfobia, a reparação às pessoas LGBTs perseguidas e prejudicadas pelas violências do Estado e a necessidade de se suprimir, nas leis, referências discriminatórias a esse grupo.

As sexualidades dissidentes inserem-se, por conseguinte, em um contexto de luta por verdade, justiça e reparação em relação aos crimes praticados durante a ditadura brasileira, exigindo visibilidade e a devida identificação de seus enfrentamentos durante esse período. Assim, foi notório o papel assumido pela Comissão Nacional da Verdade para a visibilização dessa comunidade na reconstrução das memórias da ditadura. O reconhecimento pela CNV da importância de se incluir, no trabalho de Memória e Verdade, um recorte sobre as perseguições sofridas pelas pessoas LGBT foi essencial para a inserção, na história oficial sobre a ditadura, das violências confrontadas por esse segmento em face de suas orientações sexuais e identidades de gêneros.

(Itália-Nápoles,06/08/2018) Movimento da parada LGBT. Foto:Sara Rampazzo

Portanto, relembrar tal período histórico representa o resgate de conhecimentos necessários para uma melhor configuração político-social brasileira. O direito à Memória e à Verdade demonstram ser essenciais para a conquista de espaços democráticos e por um país que, de encontro ao seu passado, reflete acerca das violações cometidas para que elas não voltem a se repetir.

Ainda, é possível perceber que a justificativa de contenção de ameaças utilizada no passado ainda marca a nossa trajetória política. Há e sempre houve – como mostra a história – a intenção de reprimir qualquer grupo que ouse imaginar novas formas de organização ou que subverta os ideais defendidos pelos grupos do poder. A ameaça à segurança nacional e à viabilidade do Brasil é ora atrelada a  grupos de esquerda, ora à população LGBT, por apresentarem, sob a ótica do Bolsonarismo, uma dissolução moral do país e um atentado aos bons costumes. O cenário brasileiro em relação ao assassinato de pessoas LGBT é um sintoma desse fenômeno.

Nesse sentido, rememorar não apenas as trajetórias citadas, mas todas aquelas que possuíram um papel significativo na conquista de direitos, deve ser um aspecto imprescindível na cultura política brasileira. No cenário atual, mais do que nunca, a luta por igualdade e pelo reconhecimento das instituições democráticas e das diversidades sexuais é constante.

Por : Ester Wagner Siqueira , Geovane Campos Alves  e Raissa Michaela Pereira Costa e Silva 

Comentários 0

Tags:, , ,

Saí do armário depois dos 40
   1 de junho de 2022   │     12:38  │  0

Por: André Bueno – Profissional de Marketing e Comunicação, com extensa experiência em geração de demanda e aceleração dos negócios. Voluntário em projetos relacionados à Diversidade e Inclusão e causas LGBT+.

Criada em 1988 pelo psicólogo gay, Robert Eichberg e por Jean O´Leary, ativista lésbica, o Dia de Sair do Armário, celebrado em 11 de outubro, tornou-se uma data internacional para aumentar a conscientização sobre a importância de sair do armário e abordar temas sobre sexualidade LGBT. A data foi escolhida por ser o dia do Marco Nacional de Washington para Direitos de Gays e Lésbicas.

Para abordar esse tema, O Blog EternamenteSou conversou com Ricardo Alves da Silva, 53, professor, nascido e criado na cidade de São Paulo. Ricardo divide conosco sua experiência de vida, como foi sua decisão de sair do armário e fala sobre o impacto dessa escolha na sua vida.

Ricardo foi criado com 8 irmãos. Suas primeiras experiências homossexuais aconteceram ainda na infância, durante as brincadeiras de rua com amigos, os conhecidos “troca-trocas”. Sua primeira vez também foi com um rapaz, aos 15 anos. Entretanto, suas relações amorosas na maior parte de sua vida, antes de se assumir, foram com mulheres. Ele afirma que nunca se sentiu realizado nas relações com suas companheiras. Em uma dessas relações, manteve uma “amizade colorida” com um rapaz durante 5 anos às escondidas. O medo de assumir sua homossexualidade falava mais alto.

“Sentia pavor de ser rejeitado pelos meus pais, pelos membros da igreja católica, na qual eu frequentava. Temia o julgamento das pessoas na ruas, não queria ser apontado ou xingado pelos outros e tinha medo da violência que poderia sofrer. Na infância e adolescência sofri o que hoje chamam de bullying pelos colegas de uma gráfica onde trabalhei, mas quase não passei por isso com os meus colegas do bairro, da escola ou mesmo em casa porque jogava futebol. A bola me poupou”, revela Ricardo.

Ricardo chegou a estudar num seminário, pois, na juventude, sentiu que sua vocação era ser padre, mas permaneceu por pouco tempo. Entendeu que não era esse o seu destino. Buscou outros caminhos profissionais e formou-se em filosofia, história e psicologia e dedicou sua carreira como professor dessas disciplinas.

Ele conta que sempre foi um homem politizado e, desde muito jovem, participava de manifestações políticas, greves, apoiava causas em prol da educação. No entanto, a questão de assumir sua sexualidade foi um tabu para ele mesmo durante a maior parte de sua vida. Ele diz que lhe faltou coragem.

Ricardo revela que se assumiu homossexual há 10 anos, aos 43 anos. Admite que perdeu oportunidades de engatar relacionamentos amorosos com homens por quem se apaixonou. Um ex-namorado chegou a pressioná-lo, mas ele não cedeu. Dois amigos o incentivaram muito, mas essa influência não foi o suficiente para ele se assumir perante à sociedade.

“Sentia que não seria aceito no meu ciclo social, pela sociedade em geral e dois amigos mais chegados me chamavam de “mureteiro” para que eu me assumisse homossexual. Sofria pressão dos dois lados. Eu não tinha coragem de viver minha sexualidade”, ele conta.

Foi ao conhecer um ex-namorado que Ricardo finalmente sentiu motivação para sair do armário e se viu, pela primeira vez, protagonista da sua vida. Ele nos detalha como foi este momento:

“Tudo tem o seu tempo e eu tive o meu. Com base na minha experiência, teve um momento em que eu não quis mais viver uma relação escondida. Quis estar inteiro e me senti pronto pra isso. Reuni os amigos mais próximos e contei sobre ele e que iríamos morar juntos. Fui acolhido pela turma. Como é bom me sentir livre, ser autêntico e dar menos importância para o julgamento dos outros.”

Há dois anos ele reencontrou uma ex-aluna que participava da ONG EternamenteSou. Ela o convidou para um dos evento Café & Memórias da ONG, no qual  teve a oportunidade de conhecer outros LGBTs da sua geração, alguns com histórias de vida similares, outros com um histórico diferentes e que essa troca tem sido um processo de constante aprendizado. Veja o que Ricardo fala sobre como tem sido esta experiência:

“Sinto-me muito à vontade na EternamenteSou. Participar deste grupo foi um divisor de águas na minha vida, pois foi e está sendo um processo de cura. Para quem ainda não saiu do armário, eu diria que cada um tem o seu momento, não importa a idade. É importante respeitar o tempo de cada um. Vejo que é muito saudável assumir o que somos. O ganho emocional é maravilhoso. É libertador!”
Comentários 0

Tags:,

É verdade que a próstata é o ponto G de todo homem ?
   31 de maio de 2022   │     15:45  │  0

Doutor, é verdade que a próstata é o “ponto G” do homem? Corre o risco de ter uma ereção durante o exame de toque?

É pouco provável que o indivíduo tenha uma ereção ou ejaculação fazendo o exame de próstata. Geralmente, ele está tenso e em um local desconfortável. Muitos homens têm esse medo, mas, normalmente, isso não acontece.

A próstata é uma região que, para aquelas pessoas que gostam de explorar essa parte do corpo e fazer sexo anal, é um local que pode dar prazer e, por isso, existe essa ideia de “ponto G” masculino.

Por ser uma área que detém muitos nervos, acaba ocorrendo a relação entre o estímulo na próstata e a sensação de prazer. É importante dizer que não é necessário que o homem seja homossexual ou bissexual para sentir isso. Qualquer indivíduo, através da masturbação, pode alcançar essa parte do corpo e sentir prazer estimulando a região da próstata.

Quando fazer o exame de próstata?

Geralmente, o indicado é que o homem realize o exame de próstata a partir dos 50 anos de idade. Porém, caso ele tenha algum caso de câncer nessa região na família, o ideal é que o acompanhamento comece um pouco mais cedo.

A próstata é uma glândula localizada na frente do intestino reto e embaixo da bexiga. Para realizar o exame, o médico utiliza uma luva com lubrificante e introduz o dedo no ânus para checar o tamanho e o formato, que podem indicar uma série de questões.

Além do exame de toque, atualmente há outras formas de fazer o acompanhamento dessa região. Por exemplo, com o Antígeno Prostático Específico (PSA), uma enzima produzida pela próstata) que pode aumentar em casos de tumor, e por meio do ultrassom. Em alguns casos, a partir dos 50 a 55 anos, é recomendado exames periódicos de toque retal como uma complementação.

Não deixe para depois

A Sociedade Brasileira de Urologia de São Paulo reforça a importância de realizar o exame de toque com regularidade e, consequentemente, identificar cedo possíveis tumores de próstata. Assim como para outros tipos de câncer, a detecção precoce é determinante para o sucesso do tratamento.

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que o país teve 65.840 novos casos da doença em 2020, o que equivale a 63 novos casos a cada 100 mil homens. O câncer de próstata é o segundo tumor maligno mais comum entre os homens, perdendo somente para o câncer de pele não melanoma.

Embora a maioria dos casos seja tratável, 25% dos pacientes que descobrem ser portadores de um tumor de próstata morrem devido à doença, segundo a SBU. A cultura patriarcal vigente na sociedade estimula um comportamento dos homens que resistem em cuidar da saúde. Por isso, é importante mudar essa mentalidade com objetivo de aumentar a expectativa e a qualidade de vida.

Por : Dr Jairo Bouer

 

Comentários 0

Tags:, , ,

Peu Queiroga fará show no Club Metróle
   26 de maio de 2022   │     0:00  │  0

Peu Queiroga pode ser considerado hoje um dos melhores interpretes da nova geração pernambucana

O cantor pernambucano fará sua apresentação neste sábado 28/05 e promete um espetáculo recheado de hits e ritmos diversificados

Peu Queiroga pode ser considerado hoje um dos melhores interpretes da nova geração pernambucana e uma das apostas de cantores que promete brilhar na cena nacional. O artista que tem no seu DNA a arte do canto nasceu em uma família onde a música está enraizada com influências de sua avó, mãe e tios, todos artistas contemporâneos e de grandes palcos. Peu dentro dessa geração traz a sua cultura da noite, dos clubbers ver o seu visual de cabelo pintado de rosa e raspadinho nas laterais dialoga com a juventude e a música popular que surge nas ruas e nos guetos da região metropolitana do Recife. Com seu estilo e cheio de bossa o cantor faz uma apresentação imperdível neste sábado 28 de maio, na festa Rebel XX no Club Metrópole.

Será um pocket show relembrando os primeiros lançamentos de Peu Queiroga, além de suas canções autorais. “Terá muito piseiro, inclusive músicas que não são originalmente neste ritmo. Alguns pops nacionais, brega funk e o brega raiz recifense”, adianta Peu Queiroga.

“Estamos com o projeto de lançamento oficial do meu primeiro álbum chamado Zodíaco, são 12 músicas, uma representando cada signo de acordo com o olhar do ariano torto aqui. Ou seja, é uma viagem de ritmos, cores e sabores que mudam de track a track”, revela Peu Queiroga.

De acordo com Peu Queiroga, sobre o momento atual de sua carreira é de novas conquistas. “O trabalho vem sendo feito com muito amor e atingindo corações, estômagos e ouvidos pelo mundo afora nas plataformas musicais, mas para consolidar é necessário que as pessoas abram a mente pra ouvir artistas diferentes dos que já tocam em todo canto. Hoje a arte está realmente em toda parte, a exploração precisa vir do lado contrário, das pessoas que consomem”, opina o cantor.

Sua maior influência na música moderna é Pabllo Vittar, na sua regionalidade, essência e performance. “Mas sempre tive artistas de diversos espaços como influência: Rihanna, Britney Spears, Destiny’s Child, Daniel Bedingfield, B2K, sempre fui muito influenciado pelo pop internacional na minha história”, completa o cantor. .

Peu Queiroga diz que será eternamente casado com a música, independente de números. Mas relações pessoais, como casamento é algo muito conservador pra ele. “Sou adepto do poliamor somente a música vai ser minha única companheira e pra sempre”, finaliza.

Na festa Rebel XX também será animada pelos DJs Thiago Rocha, Hilary Salt bsb Cavechini, Josafá (Pista Brasil), Pax, Toinha (JP) e Alê (Pista New York).

SERVIÇO

XX REBEL

Sábado 28 DE MAIO

22:00 HORAS

INGRESSOS: R$ 20,00 (meia) e R$ 40,00 (inteira)

MAIS INFORMAÇÕES À IMPRENSA

FRED QUEIROZ

ASSESSORIA DE IMPRENSA

WHATSAPP (81) 99773-8091

Comentários 0

Tags:, , , ,

IBGE: Brasil tem quase 3 milhões de homossexuais ou bissexuais
   25 de maio de 2022   │     14:43  │  0

Presença aumenta entre faixas de maior renda e com mais escolaridade. Boa parte não quis responder

Mais de 2,9 milhões de pessoas se declararam homossexuais (1,836 milhão) ou bissexuais (1,085 milhão) no país, o correspondente a 1,8% da população adulta, mostra pesquisa do IBGE divulgada nesta quarta-feira (25). Outros 1,718 milhão disseram não saber sua orientação sexual, enquanto 3,622 milhões preferiram não responder.

Os dados, referentes a 2019, fazem parte da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS). O IBGE incluiu o quesito orientação sexual, “que investigou, pela primeira vez, e em caráter experimental, essa característica da população brasileira”. De um total de 159,2 milhões de pessoas com 18 anos ou mais naquele ano, 53,2% eram mulheres e 46,8%, homens. Pela PNS, 94,8% se declararam heterossexuais, 1,2% eram homossexuais e 0,7% bissexuais. Já 1,1% não sabiam sua orientação sexual, 2,3% não quiseram responder e 0,1% declararam outra orientação, “como assexual e pansexual, por exemplo”.

Receio da identificação

Dos aproximadamente 1,1 milhão que se declararam bissexuais, dois terços (65,6%) eram mulheres. Já entre os 1,8 milhão de homossexuais, homens eram maioria: 56,9%. Segundo o instituto, não houve diferença “estatisticamente significativa” entre brancos (1,8%) e pretos ou pardos (1,9%) que se declararam homossexuais ou bissexuais. Essa diferença aparece entre aqueles que vivem em área urbanas, com 2%, ante 0,8% na zona rural dos municípios.

“O número de pessoas que não quiseram responder pode estar relacionado ao receio do entrevistado de se autoidentificar como homossexual ou bissexual e informar para outra pessoa sua orientação sexual”, observa a coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Vieira. “Diversos fatores podem interferir na verbalização da orientação sexual, como o contexto cultural, morar em cidades pequenas, o contexto familiar, se sentir inseguro para falar sobre o tema com uma pessoa estranha, a desconfiança com o uso da informação, a indefinição quanto a sua orientação sexual, a não compreensão dos termos homossexual e bissexual, entre outros”, acrescenta.

Mais entre jovens

A faixa de 18 a 29 anos mostrou o maior percentual de pessoas que se declararam homo ou bissexuais (4,8%). Mas também registrou as taxas mais altas de quem não soube (2,1%) ou se recusou a responder (3,2%). “O maior percentual de jovens que não souberam responder pode estar associado ao fato de essas pessoas ainda não terem consolidado o processo de definição da própria sexualidade. Resultados semelhantes foram obtidos em pesquisas realizadas em outros países, como o Reino Unido, por exemplo”, afirma Maria Lucia.

A presença de pessoas que se declaram homo ou bissexuais cresce entre as que têm mais escolaridade e renda maior. Os que têm curso superior, por exemplo, têm 3,2% nesse caso, ante 0,5% no grupo de pessoas sem instrução ou com ensino fundamental incompleto. Nos domicílios om renda per capita acima de cinco salários mínimos, o percentual sobe para 3,5%. “Isso sugere que pessoas com maior nível de instrução e renda têm menos barreiras para declarar sua orientação sexual ou ainda maior entendimento dos termos usados”, diz a coordenadora.

Estigma social

Entre as regiões, 2,1% dos adultos se declaram homo ou bissexuais no Sudeste, 1,9% no Norte e no Sul, 1,7% no Centro-Oeste e 1,5% no Nordeste. Nas unidades da federação, o percentual sobe para 2,9% no Distrito Federal, 2,8% no Amapá e 2,3% no Rio de Janeiro, São Paulo e Amazonas. A média nas capitais é de 2,8%, subindo para 5,1% em Porto Alegre, 4% em Natal e 3,9% em Macapá. O IBGE faz uma ressalva: “Os percentuais obtidos para os estados e as capitais não devem ser comparados, pois não são considerados significativamente diferentes entre si em função do intervalo de confiança dessas estimativas”.

O instituto afirma ainda que procurou preservar a privacidade dos entrevistados. “Ciente de que esse tema é sensível, o IBGE buscou assegurar, durante a entrevista, a privacidade para que o informante pudesse responder à pergunta, sendo inclusive oferecido que ele mesmo preenchesse a resposta no Dispositivo Móvel de Coleta (DMC), utilizado pelos entrevistadores para o registro das informações.”

“Tivemos esse cuidado porque sabemos que o estigma social existente sobre lésbicas, gays e bissexuais, assim como o medo da discriminação e violência, gera um maior receio do entrevistado informar verbalmente para outra pessoa sua orientação sexual, especialmente em cidades pequenas”, explica Maria Lúcia Vieira.

A pesquisa se baseia na auto-identificação, sem investigar, por exemplo, atração ou comportamento sexual. “O fato de uma pessoa se autoidentificar como heterossexual não impede que ela tenha atração ou relação sexual com alguém do mesmo sexo”, diz a pesquisadora. “Ao realizar essa divulgação, o IBGE pretende dar uma primeira contribuição com estimativas da população de homossexuais e bissexuais, com estatísticas em âmbito nacional relacionadas a uma amostra probabilística e representativa das diferentes regiões do país, ainda que em processo de avaliação de possíveis melhorias em futuras coletas”, acrescenta o diretor de Pesquisas do instituto, Cimar Azeredo. Realizada em parceria com o Ministério da Saúde, a PNS foi feita a partir de visitas a mais de 100 mil domicílios.

Comentários 0

Tags:,