Category Archives: Pesquisa

O GGAL quer saber! Você LGBTI+ alagoano, já foi vítima de discriminação?
   Blog Diversidade   │     4 de maio de 2018   │     11:18  │  0

Pensando em iniciar uma série de levantamentos de soma da violeviol contra a população LGBTI+ alagoana, o Grupo Gay de Alagoas – GGAL está realizando uma enquete virtual, com o objetivo de ter uma base nldo número de lesblésb, gays, bissexuais, travestis, transexuais, intersexuais e outros, que já foram vítimas de violência em virtude da sua orientação sexual, ou identidade de gênero.

A enquete é um levantamento simples, não tem base exata de pesquisa, mas servirá para se ter uma base de vítimas, além das que buscam a instituição para denunciar alguma forma de preconceito vivida.

Para participar é muito simples, basta clicar AQUI , e escolher uma das opções.

Tags:

>Link  

Comitê Estadual de Saúde LGBT realiza senso das travestis e transexuais em Alagoas
   Blog Diversidade   │     26 de abril de 2018   │     21:50  │  0

Com o objetivo de garantir um futuro atendimento integral a população travesti e transexual em Alagoas, o Comitê Técnico Alagoano de Saúde Integral da população LGBT, órgão vinculado a Secretaria de Estado da Saúde – SESAU, disponibilizou em uma plataforma nas redes sociais um questionário direcionado a comunidade de travestis e transexuais.

 

Além de procurar quantificar e localizar geograficamente a população travesti e transexual, o diagnóstico procura identificar as variáveis de idade, renda e escolaridade para a partir daí aprofundar questões como o uso de tratamento hormonal, acompanhamento médico e psicológico e da necessidade de realização de cirurgias como de redesignação sexual, mastectomia/mamoplastia e descriminação nos serviços.

 

Os dados serão coletados em uma plataforma na internet no período de 24 de abril a 10 de maio de 2018.

 

Você travesti ou transexual, participe e contribua com o senso, é muito simples, basta clicar AQUI

 

Maiores informações com o Assessor Técnico da SESAU, Robert Lincoln, através dos números 082 9.9975-0406 / 3315-2874.

Tags:,

>Link  

Maior parte dos suicídios é de adolescentes que ficam no armário, diz estudo
   Blog Diversidade   │     19 de abril de 2018   │     22:35  │  0

Suicídio já representa a terceira principal causa de morte entre adolescentes.

Quem assiste ao clipe Indestrutível, recentemente lançado por Pabllo Vittar, se depara com cenas fortes e reais de bullying com jovens LGBT. Infelizmente, o preconceito que esses adolescentes sofrem diariamente é capaz de levá-los à depressão e até ao suicídio.

Poucas semanas antes do clipe ser lançado, um estudo norte-americano revelou que os jovens LGBT que escondem a orientação sexual são mais propensos a apresentar comportamento suicida.

Orisco é ainda maior entre adolescentes que sofreram bullying ou foram forçados a fazer sexo.

Publicado no American Journal of Preventive Medicine, o estudo foi centrado em adolescentes que se identificaram como gays ou lésbicas, mas tiveram contato sexual com o sexo oposto ou ambos os sexos, ou os que se identificaram como heterossexuais, mas tiveram contato sexual com o mesmo sexo ou ambos os sexos. Aproximadamente 7 mil alunos do Ensino Médio dos Estados Unidos responderam cerca de 100 perguntas sobresaúde, orientação sexual e comportamentos de risco.

 

De acordo com o resultado da pesquisa, 4% dos entrevistados tiveram a chamada “discordância da orientação sexual“. Entre eles, 32% eram gays e lésbicas. O estudo também reuniu dados sobre tentativas de suicídios entre os adolescentes e mostrou que quase metade dos jovens com orientação sexual discordante respondeu que possuem pensamentos ou comportamentos suicidas.

 

Em entrevista a Reuters Health, o Dr. John Blosnich, da West Virginia University, afirmou que as novas descobertas são importantes para o estudo da violência interpessoal e auto-dirigida entre grupos LGBT. “O suicídio tem sido a décima principal causa de morte na população geral dos Estados Unidos por pelo menos uma década e a terceira principal causa de morte entre adolescentes“, disse. Segundo ele, uma das maiores preocupações para o adolescente que sofre conflitos com a identidade sexual é se ele será rejeitado pela família e amigos.

 

No último dia 14 de março, o adolescente Yago Oliveira acabou entrando para essa triste estatística brasileira. Após se assumir gay, ele teve que lidar com a pressão da família extremamente religiosa e preconceituosa. Em um desabafo no Facebook, Yago chegou a escrever um texto listando todas as hipocrisias da família que se dizia cristã, mas não exercia o amor ao próximo. “A vergonha da família sou eu, pelo simples fato de ser gay. Ser gay é pecado, mas ser racista, corrupto, assassino, estuprador, pedófilo e não criar os filhos tá de boa, o importante é você não ser gay“, dizia um trecho do relato. Dois meses depois, Yago se suicidou.

 

Em entrevista ao MixturandoWeb, a mãe de Yago declarou: “prefiro um filho morto do que vivo e pecador”.

 (Facebook/Reprodução)

Segundo o co-autor da pesquisa, Francis Annor, é importante inicialmente entender os desafios que os adolescentes em conflito com a sexualidade passam, para ter sucesso no aumento da luta contra o suicídio. Acima de tudo, é necessário compreender que o suicídio pode ser evitado.

 

Se você está passando por esta situação ou conhece alguém que esteja, entre em contato com o CVV (Centro de Valorização da Vida). A organização realiza apoio emocional gratuito para todas as pessoas que desejam conversar por telefone, e-mail ou chat.

Tags:, ,

>Link  

Pesquisa mostra que 39% dos LGBTs brasileiro ainda vivem no armário
   Blog Diversidade   │     13 de janeiro de 2018   │     0:01  │  0

Feita com 3.520 pessoas (incluindo público heterossexual) de todo o país e pertencentes às classes A, B e C, uma pesquisa conduzida pela plataforma digital PiniOn mostrou que 39% dos LGBTs ainda escondem a sexualidade de seus familiares!

Segunda o levantamento, divulgado nesta terça-feira (17/05), 45% evitam falar porque os pais são “religiosos tradicionais” e não aceitariam. Outros 42% disseram que não se sentiam “confortáveis” para contar. Ainda segundo a pesquisa, seis em cada dez entrevistados contaram ter sido alvo de preconceito na própria família, enquanto 54% relatam ter sido vítima de LGBTfobia por pessoas na rua.

Para 68% dos entrevistados, a homofobia existe. Para 60% deles, a homofobia deve ser criminalizada. Quando confrontados com a afirmação de que já sofreram agressões verbais por serem LGBTs, 59% concordaram e 41% discordaram.

Tags:, , ,

>Link  

Relacionamento aberto entre casais gays funciona ?
   Blog Diversidade   │     4 de junho de 2017   │     13:14  │  0

Para os adeptos à prática, amor não se divide, se multiplica.  E engana-se quem pensa que estamos falando do pensamento de uma minoria…

Dizem que poucas coisas na vida são mais complicadas que um relacionamento a dois. Mas, como o ser humano gosta mesmo é de um desafio, resolveu levar a questão a um outro nível: o relacionamento aberto.

Para os adeptos à prática, amor não se divide, se multiplica.  E engana-se quem pensa que estamos falando do pensamento de uma minoria…

A maioria dos casais gays hoje está em um relacionamento aberto!

Sim, você leu bem!

No Brasil eu não sei, mas pelo menos essa é a realidade dos australianos. Uma pesquisa realizada pela Universidade de New South Wales revelou que 32% dos entrevistados vivem esse tipo de união.

O estudo entrevistou 2886 homens que fazem sexo com homens. A diferença é pequena. Os que estão em uma relação monogâmica somam 31%. Na sequência, aparecem os que disseram praticar apenas sexo casual (23%) e os que não estão com a vida sexual ativa (14%).

Talvez pela liberdade sexual ou pela ideia de que dois homens têm necessidades carnais mais afloradas, o fato é que casais gays têm mais propensão a estarem em relacionamentos abertos que em estritamente monogâmicos.

Mas será que é mesmo possível separar amor e sexo?

Definindo as regras

relacionamento-aberto-gayPrimeiro, esclareçamos a definição: ter um relacionamento aberto não significa sair por aí pegando todo mundo de maneira desenfreada, mas sim estar disponível para conhecer, beijar e, quem sabe, até transar com outras pessoas interessantes.

É claro que isso demanda tempo e muita, mas muita conversa. Se você é o tipo de pessoa que não gosta muito de discutir o relacionamento (vale frisar que discutir não quer dizer brigar, mas sim conversar), é melhor pensar duas vezes antes de se aventurar por esse caminho.

Quando, onde e com quem são perguntas mais específicas, que vão depender de cada relação. Vocês podem ficar com outras pessoas apenas quando não estiverem juntos, ou somente quando estiverem juntos.  Podem estabelecer limites geográficos: apenas em casa ou em lugares sem amigos em comum. Podem estabelecer regras: apenas com pessoas desconhecidas, apenas se contar depois para o outro…

As especificidades de cada acordo ficam a critério dos envolvidos. Seja qual for o caso, o que interessa é que não há traição, uma vez que é algo pré definido entre o casal. Um ama o outro, mas desejam ter outras paixões fora do namoro, que supostamente teriam um prazo curto e jamais atrapalhariam a relação. Ok, entendido.

Ou, nem tanto… Se na teoria já parece complicado, na prática é mais difícil ainda!

Por: Verônica Vergara

Tags:, , ,

>Link