Category Archives: Minha História

Guarda municipal transexual lança livro onde conta a luta pela vida desde a infância
   Blog Diversidade   │     22 de dezembro de 2014   │     12:00  │  0

Jô sempre se sentiu feliz na Guarda: “É a base das minhas vitórias) Foto: Guilherme Pinto

Jô sempre se sentiu feliz na Guarda: “É a base das minhas vitórias) Foto: Guilherme Pinto

Ele sobreviveu ao abandono da família, ao sofrimento nas ruas, à internação na Febem, a um estupro e toda uma série de violências físicas e morais. E, hoje, se dedica a cuidar da cidade, cenário de todos os tormentos do passado. Transexual, Jô Lessa integra desde 1997 o corpo da Guarda Municipal do Rio. E agora conta sua história no recém-lançado livro “Eu trans. A alça da bolsa. Relatos de um transexual”.

Na infância, o guarda conta que jamais se sentiu uma menina. Não entendia sua sexualidade. Não se via como lésbica nem como homem, nem mulher. Foi a história de João W. Nery, descrita no livro “Viagem solitária”, que o despertou. Era transexual.Eu sou corno de mim mesmo. O último a saber o que eu era fui eu. João fez com que eu me reconhecesse. Meu livro já cumpriu seu papel só de ficar pronto. Foi libertador — conta Jô.

Aos 47 anos, o guarda atua na equipe do “Lixo Zero” e se sente realizado na carreira. Em 2013, oficializou sua união com a artesã Bombom Lessa. Em paz com a vida, seu objetivo hoje é lutar para impedir que outros jovens sofram como ele no passado.

 Ter sido expulso de casa com 12 anos foi muito forte. O propósito do livro também é ensinar o que não fazer com seus filhos. Você não pode botar rótulo, e, por culpa, por medo de ter “errado” na criação deles, jogar o filho na rua, onde tem tudo que não presta — conta Jô, que jura não guardar mágoa:

 Eu perdoo e até sou grato. O que me construiu foi minha história.

Jô nunca teve dúvidas sobre a carreira que seguiria. Já se imaginava “suando na rua, dentro do uniforme”, quando fez a prova. Foi quinto lugar no concurso. Então, um guarda “feminino”.

 Sou feliz. A Guarda é a base de tudo que conquistei. Nunca tive dúvida, eu não “estou guarda”. Eu sou guarda. No uniforme, não tenho que disfarçar, me dá segurança — conta Jô, que só sonha agora se submeter a uma mamoplastia masculinizadora (retirada das mamas) para poder “andar sem camisa” à vontade.

 É meu sonho. Mas não quero tomar hormônio, falar grosso, ter barba não. Eu me gosto assim. Eu me sinto bem como sou — diz o guarda, que já deu conselhos a um colega atordoado pela homossexualidade da filha:

As pessoas não sabem como lidar. Estão perdidas. Antes de pai e mãe, tem que ser amigo, acolher, ouvir. Eu bati no fundo do poço e voltei. Mas muitos ficam.

 

>Link  

Robson vs Paty Maionese, a drag queen queridinha da nata alagoana
   Blog Diversidade   │     8 de abril de 2014   │     19:10  │  0

Ator Robson Barros / Personagem Paty Maionese

 

Ele saiu do município de São Miguel dos Campos, distante 60 quilômetros de Maceió, na tentativa de realizar um sonho: fazer teatro. Entretanto, Robson Barros deixou a fantasia de lado para traçar o próprio destino. Criou a personagem Paty Maionese e se transformou na maior referência drag queen em Alagoas.

“No princípio, vim do interior para estudar teatro, mas eu tive que adiar essa vontade diante da dificuldade em viver dessa arte em Alagoas. Então, eu fui obrigado a procurar alguma coisa pra me profissionalizar e que me oferecesse algum sustento. Com isso, surgiu uma oportunidade de trabalhar com carteira assinada numa empresa de eventos. Fui. Um belo dia, uma amiga me chamou para animar um chá de bebê. Coloquei uma peruca, um salto, uma roupa. De lá, começaram a surgir vários convites. Percebi, com isso, que havia grande necessidade no mercado e decidi aproveitar minha teatralidade assumindo o personagem profissionalmente. No início, tive que abandonar o emprego formal porque estava muito difícil conciliar a agenda, mas como sou uma pessoa inquieta, voltei a trabalhar em uma empresa com carteira assinada”, conta.

Distante dos cílios, do blush e do batom, Robson Barros revela que o maior preconceito emerge do próprio mundo GLS. Ele disse que sua mãe e seus irmãos, no começo, estranharam muito, mas que hoje dão até palpites nos figurinos e que a Paty Maionese se tornou no maior orgulho da família.

“Quando fazemos algo com amor, com dignidade, ganhamos o respeito das pessoas. Nunca percebi nenhum tipo de preconceito nas festas que frequento, é mais fácil encontrar reações adversas entre os gays”, revela.

Barros, assim como seu amigo Pellegrine, usa o dinheiro que recebe como Paty Maionese para pagar sua aposentadoria. “Procuro sempre dividir o dinheiro. O que ganho como Robson fica comigo, já o que ganho como Paty, parte vai para investimentos para ela. Sem dúvida, ganho mais com minha personagem. Uma das primeiras coisas que fiz quando comecei a ganhar dinheiro foi tirar meu nome do SPC e hoje já vivo tranquilo”, diverte-se.

Teatro  

Entre os mais variados espetáculos que tiveram a criação de Robson Barros, seu maior sucesso no teatro, sem sobra de duvida foi” Encontro de Verão com Paty Maionese”, estreado ano passado, no mês de fevereiro, e tem um  formato Talk show, onde Paty recebeu no palco humoristas alagoanos. A turnê passou por varias cidades polo do estado de Alagoas, além da grande capital maceioense. Uma mega produção, com a participação de vários artistas renomados de nosso estado, e um texto artístico para lá de engraçado e bem escrito. O sucesso do espetáculo foi tão grande, ao ponto de ser preciso fechar os portões do teatro Deodoro, para evitar superlotação de um dos maiores espaços teatrais de Alagoas “Deodoro”.

Mas os Patyfanáticos podem ficar tranquilos, pós a segunda temporada do  ” Encontro de Verão com Paty Maionese”, já esta de volta, e estreará em breve, passando por todas as cidades polo de nosso estado “São Miguel dos Campos, Maragogi, Penedo, Marechal Deodoro e Maceió”.

>Link  

Robson vs Paty Maionese, a drag queen queridinha da nata alagoana
   Blog Diversidade   │       │     19:10  │  0

Ator Robson Barros / Personagem Paty Maionese

 

Ele saiu do município de São Miguel dos Campos, distante 60 quilômetros de Maceió, na tentativa de realizar um sonho: fazer teatro. Entretanto, Robson Barros deixou a fantasia de lado para traçar o próprio destino. Criou a personagem Paty Maionese e se transformou na maior referência drag queen em Alagoas.

“No princípio, vim do interior para estudar teatro, mas eu tive que adiar essa vontade diante da dificuldade em viver dessa arte em Alagoas. Então, eu fui obrigado a procurar alguma coisa pra me profissionalizar e que me oferecesse algum sustento. Com isso, surgiu uma oportunidade de trabalhar com carteira assinada numa empresa de eventos. Fui. Um belo dia, uma amiga me chamou para animar um chá de bebê. Coloquei uma peruca, um salto, uma roupa. De lá, começaram a surgir vários convites. Percebi, com isso, que havia grande necessidade no mercado e decidi aproveitar minha teatralidade assumindo o personagem profissionalmente. No início, tive que abandonar o emprego formal porque estava muito difícil conciliar a agenda, mas como sou uma pessoa inquieta, voltei a trabalhar em uma empresa com carteira assinada”, conta.

Distante dos cílios, do blush e do batom, Robson Barros revela que o maior preconceito emerge do próprio mundo GLS. Ele disse que sua mãe e seus irmãos, no começo, estranharam muito, mas que hoje dão até palpites nos figurinos e que a Paty Maionese se tornou no maior orgulho da família.

“Quando fazemos algo com amor, com dignidade, ganhamos o respeito das pessoas. Nunca percebi nenhum tipo de preconceito nas festas que frequento, é mais fácil encontrar reações adversas entre os gays”, revela.

Barros, assim como seu amigo Pellegrine, usa o dinheiro que recebe como Paty Maionese para pagar sua aposentadoria. “Procuro sempre dividir o dinheiro. O que ganho como Robson fica comigo, já o que ganho como Paty, parte vai para investimentos para ela. Sem dúvida, ganho mais com minha personagem. Uma das primeiras coisas que fiz quando comecei a ganhar dinheiro foi tirar meu nome do SPC e hoje já vivo tranquilo”, diverte-se.

Teatro  

Entre os mais variados espetáculos que tiveram a criação de Robson Barros, seu maior sucesso no teatro, sem sobra de duvida foi” Encontro de Verão com Paty Maionese”, estreado ano passado, no mês de fevereiro, e tem um  formato Talk show, onde Paty recebeu no palco humoristas alagoanos. A turnê passou por varias cidades polo do estado de Alagoas, além da grande capital maceioense. Uma mega produção, com a participação de vários artistas renomados de nosso estado, e um texto artístico para lá de engraçado e bem escrito. O sucesso do espetáculo foi tão grande, ao ponto de ser preciso fechar os portões do teatro Deodoro, para evitar superlotação de um dos maiores espaços teatrais de Alagoas “Deodoro”.

Mas os Patyfanáticos podem ficar tranquilos, pós a segunda temporada do  ” Encontro de Verão com Paty Maionese”, já esta de volta, e estreará em breve, passando por todas as cidades polo de nosso estado “São Miguel dos Campos, Maragogi, Penedo, Marechal Deodoro e Maceió”.

>Link