Diversidade

Monthly Archives: fevereiro 2020

As melhores saunas gay em Lisboa
   Blog Diversidade   │     16 de fevereiro de 2020   │     19:12  │  0

Nestas saunas gay nunca é Inverno

  1. Massagens, quartos escuros, tratamentos spa, festas com DJs e muita animação. Esqueça o frio, saia de casa e relaxe nas saunas gay da cidade.

O tabu, esse palavrão. A eterna bengala de tudo o que é, à partida, desconhecido ou tido como errado, a reacção facilitista ao diferente. Pois bem, aqui o tema é precisamente o contrário. Nos últimos anos a Lisboa do conservadorismo transformou-se e floresceu para um fantástico novo mundo, uma existência democrática, all serving, que abraça todos os credos. Não é de estranhar, portanto, que os espaços acompanhem a tendência e que a capital tenha hoje uma oferta particularmente atractiva quando o assunto é LGBT.

É certo que os bares são parte obrigatória do roteiro mas relaxe, as saunas também já o são, e este é o guia Time Out para que, independentemente do frio que o termómetro marque, possa tirar o casaco – e tudo o resto – e desfrutar. Aproveite as massagens, os tratamentos spa, as festas e siga noite dentro com as nossas sugestões.

As melhores saunas gay em Lisboa

Trombeta Bath - Sauna

Trombeta Bath

Bairro Alto

Do meio-dia de sexta até à madrugada de segunda, a Trombeta Bath, a sauna gay do Bairro Alto, está sempre a funcionar. Só para homens e muito frequentada por turistas, a sauna tem um staff de massagistas disposto a “many kinds of pleasure”, entre as 12.00 e as 00.00, e com massagens a vários preços, a partir de 20€. O centro de rastreio rápido CheckpointLx também tem uma equipa na sauna, para testes gratuitos e anónimos de VIH, sífilis e vírus da hepatite C.

saunapolo56

SaunApolo 56

Avenida da Liberdade/Príncipe Real

É hetero friendly e a única sauna mista LGBT em território nacional. Aqui há sauna, banho turco, cascata de relaxamento, glory holes, gabinete de massagem (com ou sem massagista), cabines privadas com filmes eróticos, sala BDSM com sling, quarto escuro e sexshop. Também é possível alugar a SaunApolo56 para eventos, despedidas de solteiro, sessões fotográficas ou filmagens, num espaço que também é palco de festas sugestivas, como a Festa da Máscara e do Fetiche com Apagão ou a Festa Naturista.

Olissipo Bath

Fotografia: Francisco Santos

Gay

Olissipo Bath

Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Uma recepção com bar, sauna, jacuzzi, duches, cabines “de relax” e um serviço de massagens profissionais (entre 30€, para uma massagem de meia hora, a 90€, para uma massagem com ventosas) são algumas das mordomias da sauna gay da Rua do Telhal.

Sauna Oásis

Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Presença frequente nos roteiros gay da capital, o espaço pode não ser o argumento maior nesta sauna de pequenas dimensões, mas ainda assim a Oásis, próximo da Avenida da Liberdade, tem dentro um pequeno ginásio, serviços de massagem e um dark room que não deixa nada a dever à concorrência. A sauna está aberta a toda a comunidade gay mas é, definitivamente, muito mais popular entre clientes mais velhos, não sendo por isso a opção ideal para quem procura uma atmosfera de carácter mais jovem.

Tags:, ,

>Link  

A vida LGBT+ no Japão
   Blog Diversidade   │     15 de fevereiro de 2020   │     19:59  │  0

 É fato que o Japão é uma das economias mais avançadas do mundo. A eficiência e pontualidade do transporte público, as ruas limpas, a segurança pública, a alta expectativa de vida são bem conhecidos mundo afora. Apesar de tantos avanços na sociedade, uma das áreas que evolui a passos de tartaruga é a que diz respeito aos LGBTQs. Afinal como é ser um estrangeiro LGBTQ no Japão?

LGBT no Japão

Existe homofobia?

Pensando no lado do perigo das ruas, de certa maneira, é bem tranquilo. O Japão por si só é muito seguro e as pessoas não ficam se metendo na sua vida. Não é comum ver crimes de homofobia e transfobia no país, mas de qualquer maneira não é comum ver outros crimes também. Ao meu ver, é mais difícil para o japonês LGBTQ do que para o estrangeiro, devido a sociedade ser muito conservadora. Raramente conheci japoneses que eram fora do armário no trabalho. Não que no Brasil seja fácil, mas isso seria assunto para outro post.

Apesar da harmonia no país, isso não quer dizer que não exista preconceito. De maneira geral, é raro presenciar algum ataque físico ou que alguém fale algo diretamente na sua cara. Infelizmente, algumas figuras públicas já expressaram homofobia no passado.

Por exemplo, em agosto de 2018, um caso famoso e que surtiu repercussão internacional, foi da deputada Mio Sugita, do Partido Liberal Democrata (LDP), o mesmo do Shinzo Abe (atual Primeiro Ministro). Ela questionou o uso do dinheiro público para causas LGBTQ (como o casamento). Ela disse que casais do mesmo sexo “não produzem filhos. Em outras palavras, eles não têm produtividade e, portanto, não contribuem para a prosperidade da nação”.

Na mesma época, um segundo membro do LDP, Tomu Tanigawa, sugeriu que a homossexualidade era “uma questão de gosto”. Ele disse a um programa de TV online que, embora não se opusesse a relacionamentos com pessoas do mesmo sexo, ele se opunha a leis legalizando o casamentos LGBTQ. Ele disse: “Um homem e uma mulher se casam e têm filhos. É assim que uma família tradicional é formada. Os humanos têm feito isso desde a antiguidade para evitar que as nações caiam em declínio e ruína.”

Apesar disso, diversos governos locais no Japão reconheceram parcerias entre pessoas do mesmo sexo nos últimos anos. Shibuya foi o primeiro, seguido de Setagaya. Desde então diversos outros seguiram os mesmo passos como Sapporo, Fukuoka e Osaka. Até 2020 serão 22 cidades/distritos com leis desse tipo. Porém, o governo central não reconhece o casamento ou união civil LGBTQ. Logo, na prática, esses reconhecimentos dos governos locais acabam não ajudando muito.

Para chamar a atenção do governo sobre o assunto, em fevereiro de 2019, no dia dos namorados no Japão, 13 casais do mesmo sexo processaram o governo nacional japonês, alegando que é seu direito constitucional de se casar.

Por conta disso tudo, os japoneses ainda precisam fazer muito barulho para serem ouvidos. E é aí que entra a parada gay.

LGBT no Japão

Parada Gay

Assim como muitos países, o Japão também conta com paradas gay, com o primeiro evento acontecendo em 1994. A principal acontece em Tokyo e é conhecida como Tokyo Rainbow Pride (東京レインボープライド). Ela geralmente entre abril e maio e é uma marcha de aproximadamente 3 km ao redor da área de Harajuku/Shibuya. A Parada não é só uma marcha. Ela é um evento de uma semana organizado pela comunidade LGBTQ em Tokyo para apoiar e promover a conscientização e a igualdade. No fim de semana que ela acontece, também há um evento no parque de Yoyogi (代々木公園) com direito a stands de empresas e organizações mostrando apoio e oferecendo brindes, stands de comidas e bebidas e um palco com apresentações.

Esse ano o evento acontece nos dias 27 e 28 de abril, com a parada tomando conta das ruas no dia 28, a partir das 14h. O desfile sai do parque de Yoyogi e vai até Shibuya.

Existem outras paradas gay pelo país, como a Kansai Rainbow Festa. Vale a pena conferir qual é a mais próxima da onde você mora/irá visitar.

Nichome e eventos

Apesar do tamanho da população do país, as casas noturnas e os bares gays deixam a desejar, especialmente quando comparado com outros países e capitais. Mesmo assim é possível se divertir bastante, beber a noite toda e conhecer locais (existe jeito melhor de treinar o japonês fora da sala de aula?).

A área mais famosa em Tokyo se chama Nichome (2丁目, にちょうめ) em Shinjuku. Lá há uma grande concentração de bares LGBTQ – dizem que existe por volta de 300, sendo a grande maioria bem pequenos, localizados nos diversos andares dos prédios. Esses bares minúsculos têm uma atmosfera calorosa e amigável, centrada no barman, que geralmente é o dono (ou mama-san na gíria gay japonesa). Normalmente todo mundo conhece todo mundo, e às vezes eles até trazem comida de casa para compartilhar. Esses bares podem ser uma experiência única, porém sem muito conhecimento da língua, há grandes chances de você ficar sem entender nada.

Entre os mais famosos e maiores, onde os estrangeiros costumam frequentar, vale a pena mencionar a Dragon Men, que começa como bar e vai virando uma baladinha ao longo da noite. Outro bar famoso é o The Eagle, que recentemente abriu um segundo bar, lá mesmo em Nichome. O Gold Finger é um bar focado nas lésbicas e aos sábados só mulheres podem entrar. E por fim, a balada mais famosa se chama Arty Farty. Ela fica escondida no primeiro andar de um prédio (ou segundo andar de acordo com o jeito que os japoneses contam os andares). É só ficar atento a placa que está na frente do prédio. Uma dica: muita gente faz um esquenta em frente a loja da Seven Eleven na área antes de ir para os bares.

Outros bares/baladas que valem a pena mencionar também são Campy, AiiRo Cafe, Leo Lounge, FTM Bois (focado em transexuais), The ANNEX (do mesmo grupo do Arty Farty) e AiSOTOPE Lounge.

A Dragon Men também possui um evento chamado Not Alone Café, que acontece no primeiro domingo do mês. É um evento aberto a qualquer pessoa e pode ser uma boa para conhecer gente nos seus primeiros meses em Tokyo. Também em Nichome, existe o Akta, que é um centro comunitário para a comunidade LGBTQ em Tokyo. Apesar de quase tudo ser em japonês, de vez em quando há pessoas que sabem inglês e até português.

Outro evento LGBTQ é o festival de cinema Rainbow Reel Tokyo, com a sua primeira edição acontecendo em 1992. O festival geralmente ocorre em julho, sem data marcada para esse ano ainda.

Para conhecer mais sobre como é ser LGBTQ no Japão, recomendo o documentário Gaycation. É uma série criada pela Vice que mostra a vida LGBTQ em diversas cidades pelo mundo, e o primeiro episódio aborda Tokyo!

Espero que com esse post eu possa ter dado uma geral como é a vida LGBTQ no Japão. Nem tudo é perfeito mas o futuro é promissor!

By 

 

 

Tags:, , , , ,

>Link  

Nota de pesar e lamento

Foi com extrema tristeza  que o Grupo Gay de Alagoas – GGAL , entidade fundadora do movimento LGBT+ alagoano, recebeu a noticia do falecimento do jornalista e ex. Deputado Estadual por Alagoas Jeferson Morais, ocorrido ontem, 10/2 no período da manhã, na Santa Casa de Maceió.

Trata-se de uma perda inestimável para todos que fazem o movimento de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Intersexuais e Mais em Alagoas, pos tanto na área da comunicação ou na Assembléia  Legislativae  de Alagoas,  Morais sempre tratou as questões LGBT+ com respeito e seriedade.

Desta forma queremos hoje aqui saldar e ovacionar Jeferson de pé, ao mesmo tempo prestar nossa total e irrestrita solidariedade aos seus familiares e amigos, em especial a Jéferson Morais Filho, um grande homem também que segue a mesma linhagem de seu pai, respeitando as diversidades de cor, raça,  credo, religião,  sexo e identidade de gênero.

Mais uma vez aqui prestamos as nossas condolências e deixamos os nossos mais sinceros pêsames aos familiares e amigos de Jeferson Morais.

Att,

Nildo Correia – Pres. do Grupo Gay de Alagoas, GGAL

 

 

Evento analisará o que existe de acessível para as trans na rede SUS em Alagoas
   Blog Diversidade   │     6 de fevereiro de 2020   │     10:06  │  0

Com o objetivo de analizar e diagnosticar os mecanismo de politicas públicas de saúde na rede SUS em Alagoas, como também propor melhorias a Oficina Espelhada sobre Saúde Trans, promovida pelo Coletivo LGBT+ Flutua da Faculdade de Medicina da UFAL, ocorre no próximo sábado, 08/02, às 8 horas da manhã no prédio da própria faculdade, localizado na cidade universitária.

O evento terá como palestrantes transexuais líderes do movimento contra transfobia em Alagoas, integrantes do Coletivo Flutua e uma representante do recém aberto Ambulatório Trans do HUPAA.

A ação tem como objetivo constatar o que há de protocolos e oficialidades no SUS com o que de fato é acessível para as pessoas trans em nosso Estado, até que ponto há preparo dos profissionais de saúde neste atendimento e outros.

Os participantes terá direito a certificado de 4h por participação, além de sair de lá com um olhar amplo dessas politicas de saúde.

Não precisa ser lgbT+ e nem profissional da área de saude para participar do evento e para mais informações, basta acessar o Instagram do Coletivo (@flutua.coletivo).

Tags:,

>Link  

Crianças intersexuais precisam ser operadas ainda bebês? A polêmica discussão nos EUA
   Blog Diversidade   │     5 de fevereiro de 2020   │     0:00  │  0

Primeira parte da matéria

Primeira parte da matéria

Foi somente aos 41 anos de idade, quando já era casada e mãe de duas filhas adotivas, que a advogada americana Kimberly Zieselman descobriu que era intersexual. Ela lembrava de ter se submetido a uma cirurgia aos 15 anos de idade, após ter sido levada ao médico por seus pais, preocupados porque a menina não ficava menstruada.

Segundo Zieselman, os médicos disseram na época que ela tinha órgãos reprodutivos femininos parcialmente formados e que, sem cirurgia, corria o risco de desenvolver câncer. “Então meus pais foram convencidos a aceitar a cirurgia. O que disseram a eles — e o que eu cresci ouvindo — é que fui submetida a uma histerectomia, à remoção de órgãos femininos”, diz Zieselman à BBC News Brasil.

Quando, décadas depois, ela buscou seu histórico médico, o documento trazia termos como “pseudo-hermafroditismo masculino” e “feminização testicular”. Zieselman então descobriu que, na verdade, tinha uma condição chamada Síndrome de Insensibilidade Androgênica, que afeta a resposta do organismo a hormônios masculinos.

Apesar de ter nascido com um par de cromossomos XY, relacionados ao desenvolvimento de aparência masculina, seu corpo desenvolveu aparência feminina. Mas em vez de ovários e útero, ela tinha testículos internos, e foi isso que a cirurgia, feita em 1982, removeu.

“Eu então comecei terapia de reposição hormonal, e me disseram que eu não deveria falar sobre o assunto, que era privado, que era raro, e que eu era provavelmente a única pessoa no mundo (com essa condição)”, lembra.

Tags:, ,

>Link  

© Copyright 2000-2016 Gazeta de Alagoas Online Ltda. Todos os direitos reservados