Pablo Vittar, a drag queen maranhense que virou um dos maiores fenômenos da internet no Brasil
   Blog Diversidade   │     16 de fevereiro de 2017   │     15:43  │  0

Capa oficial de "VAI PASSAR MAL", sua mais nova produção musical

Capa oficial de “VAI PASSAR MAL”, sua mais nova produção musical

Phabullo Rodrigues da Silva, mais conhecido como Pabllo Vittar, natural de Santa Inês no Estado do Maranhão, região nordeste do país, nascido em 1 de novembro de 1994, ele é uma febre na internet e nas casas noturnas LGBT e  no meio das festas alternativas em todo o país.

Artista, cantora, compositora, performer e drag queen brasileira, que ganhou notoriedade na mídia no final de 2015, devido ao videoclipe da sua música “Open Bar”, uma versão em português de “Lean On”, do Major Lazer, que mistura pop e samba. Em menos de 4 meses, o vídeo alcançou a marca de um milhão de visualizações no Youtube. Devido ao sucesso instantâneo, a cantora acabou se expandindo profissionalmente, lançando seu extended play (EP) de estreia, Open Bar, em dezembro de 2015.

Às vésperas do Carnaval, a canção “Todo Dia”, sua mais recente produção musical,  a musica já desponta como um dos maiores hits do disco “Vai Passar Mal”, o primeiro da cantora, compositora e drag queen. Disponível no YouTube, o videoclipe já ultrapassou os 2,2 milhões de visualizações. O refrão chiclete, escrito pelo rapper Rico Dalasam (pioneiro do rap gay no Brasil), no estilo “papo reto”, ajudou a viralizar a música: “Eu não espero o Carnaval chegar pra ser vadia/ Sou todo dia, sou todo dia!”. É, assim, plena de atitude e ecoando mensagens de superação e autonomia, como vem mostrando desde 2015 com o single “Open Bar”, que Vittar estreia em CD produzido pelo duo Brabo (formado por Rodrigo Gorky, do Bonde do Rolê, e pelo promissor Maffalda).

Vittar conta que as canções têm essa vibração porque refletem a fase atual de sua carreira. “As músicas foram escritas com base no momento em que estou vivendo, que é exatamente isso! Quando você canta uma música com verdade no coração acho que mais pessoas vão se identificar”, afirma o artista, que atualmente mora em Uberlândia. Aliás, foi na cidade mineira que ela chegou a cursar dois períodos de design na Universidade Federal de Uberlândia (UFU), antes de optar definitivamente pela carreira artística.

De acordo com Vittar, “Vai Passar Mal”, mixado e masterizado no The Castle Studios, em Los Angeles, por Gorky e Turbotito (que já trabalhou com Azealia Banks e Ke$ha), é fruto de parcerias com nomes como Rodrigo Gorky e Laura Tayor (do Bonde do Rolê), Dalasam, Mateus Carrilho (um dos fundadores da Banda Uó) e o DJ norte-americano Diplo (produtor de Madonna e Britney Spears). “Existem composições minhas e desses outros artistas também. O processo foi longo, estávamos cada um em um canto do país”, afirma Vittar.

Ela segue trabalhando com Gorky desde “Open Bar”, versão de “Lean On”, de Major Lazer & DJ Snake, que explodiu dois anos atrás na internet. “‘Open Bar’ era um remix pra música original que o Omulu tinha produzido, mas não tinha lançado ainda! O Gorky ouviu, me apresentou ela, criei a letra superrápido e convidamos os Strausz e o Maffalda para também ajudar a gente nessa produção”, recorda Vittar, que ficou conhecida como a vocalista da banda do programa “Amor & Sexo”, da Rede Globo, e por estrelar a campanha “Louca por Cores”, da Avon.

Já em Maceió, a febre Vittar desembarca mais uma vez no dia 10 de março, onde ela estará se apresentando na festa “Ressaca de Carnaval com Pabllo Vittar”, organizada pela empresa de eventos Cool, na Orákulo Choperia.

Tags:, , , , , , , ,

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *