Ele não curte os afeminados. Isso é gosto ou preconceito?
   Blog Diversidade   │     3 de dezembro de 2016   │     16:31  │  0

– Você é afeminado? – Sim… – Desculpa, cara, mas gosto dos discretos.

– Você é afeminado?
– Sim…
– Desculpa, cara, mas gosto dos discretos.

Não é roteiro de novela, não é trecho de livro, mas poderia muito bem ser o primeiro diálogo entre dois gays em uma sala de bate-papo. Pelo menos uma vez na vida você já deve ter recebido uma frase como essa, seja do bonitinho do Tinder, do tarado do Grinder, da tia solteirona do Terra ou da “hetera” curiosa do UOL.

E às vezes a conversa nem precisa ir tão longe… Alguns gays já deixam bem claro no nickname ou no perfil o que procuram, para que não haja dúvida: “busco homens de verdade / quero macho autêntico”.

Ok, não tá fácil para ninguém, nem para as pintosas, nem para as parrudas, nem para as masculinas. Todas sofrem, todas querem o cara perfeito, rico, inteligente, gostoso, engraçado, fiel e bem dotado.

Porém, vocês terão que concordar comigo que, não importa quão forte seja a seca, os maiores prejudicados sempre são os afeminados.

Parece até que no universo gay ser afeminado é o mesmo que ser degradante. E, se você se define assim, já é logo descartado: a paquera se apressa em dizer “é que eu não sou afeminado e nem curto”.

O machismo escondido em forma de deboche está presente na fala dos homens gays que ainda consideram que uma pessoa pode ser gay mas…”pra quê desmunhecar?”. Afinal, na cabeça deles, os que mais envergonham a comunidade LGBT são aqueles “com jeito de mulher”.

Homofobia: uma história antiga

E a verdade é que, infelizmente, isso não é uma tendência dos tempos modernos. Bem longe disso. Historicamente, os homens afeminados sempre foram alvo de discriminação.

Nas relações sexuais homoafetivas da Roma Antiga, por volta dos 100 anos a.C, os afeminados – diretamente associados ao homens passivos na relação sexual – eram ridicularizados e relacionados à figura da mulher que, na sociedade romana, tinha um papel insignificante.

Muitos séculos depois, em meados de 1933, campos de concentração nazistas começaram a receber os primeiros presos homossexuais. Marcados inicialmente com a letra A, e mais tarde com um triângulo cor-de-rosa, os novos presos eram vistos como doentes e pervertidos e foram submetidos a procedimentos que prometiam curá-los. Em 7 de junho de 1954, após ser condenado à castração química por sua orientação sexual, o matemático britânico Alan Turing, responsável pela decodificação de códigos alemães durante a Segunda Guerra Mundial, cometeu suicídio. Quinze anos mais tarde, a polícia de Nova York entrou em confronto com um grupo de gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros em um bar nos Estados Unidos, em um episódio emblemático da luta por direitos iguais no mundo todo.

Esses são apenas alguns exemplos das consequências de um dos maiores preconceitos existentes na sociedade: a homofobia.

Diante do triste backgroundhistórico, não seria exagero dizer que reproduzir o mesmo comportamento hoje é um retrocesso e, pior, uma afronta às conquistas da diversidade.

Tanto se lutou – e se continua lutando – para combater a discriminação, a intolerância, a ignorância, e acabamos vendo a mesma homofobia sendo praticada dentro de uma comunidade que deveria somar forças. É lamentável constatar que existe preconceito entre pessoas que lutam pelos mesmos direitos.

E não para por aí: embora mais raro, conheço homens heterossexuais mais femininos. Muitos deles também sofrem um certo preconceito geral, levantando a “lebre” de que possam ser gays. Aliás, até gays duvidam quando um homem é afeminado e diz que não é gay, como se a feminilidade fadasse a pessoa à homossexualidade.

“Se quisesse afeminado, pegava mulher”

Uma coisa é verdade: gosto é gosto e não se discute. Quanto a isso, não há dúvidas.

Ninguém é obrigado a sentir atração por um perfil pelo qual simplesmente não rola química. Uns gostam dos mais altos, outros dos baixinhos. Alguns preferem os mais extrovertidos, outros têm tara mesmo pelo tímidos… Atração é uma questão de gosto que não se pode julgar, cada um tem o seu.

Porém, muitos discursos por aí são bem contraditórios, já que todos os gays são homoafetivos e todos estão no “mesmo barco”.

Já cansei de ouvir: “ eu curto homem, para mim tem que ter corpo e jeito de macho” Ou: “Se fosse para ficar com afeminado, estaria com uma mulher”.

Tudo bem que você prefira um boy mais másculo, tudo bem que não se sinta atraído pelos tipos mais delicados. Está no seu direito. Agora, afeminado ou não, todos ainda são homens, gata. Portanto, comentários desse tipo são, sim, preconceituosos.

E que fique bem claro: ninguém está dizendo aqui que é preconceito não querer relacionar-se com um afeminado. Nada disso. Preconceito mesmo é não tratá-los com respeito. 

Por que o gay afeminado é discriminado?

Basta fazer uma rápida pesquisa em sites de relacionamento e salas de bate-papo gay para constatar que há preferencias por todos os tipos: novos ou idosos, magros, malhados ou gordos, negros ou brancos, machos e discretos. Difícil mesmo é encontrar alguém procurando um gay afeminado.

E por que isso acontece?

Muitas pessoas, erroneamente, associam a imagem do gay afeminado com a bicha louca, invasiva e escandalosa. Para elas, essa liberdade declarada é querer chamar a atenção, levantar bandeira e, de certa forma, afrontar a sociedade.

Além disso, gays afeminados sofrem mais preconceito, inclusive de gays, porque, na cabeça machista de muita gente (alguns homossexuais inclusos), é estranho – ou feio – ver um homem com jeito de mulher.

Nada mais compreensível, já que convivemos com o machismo desde que nascemos. A gente cresce ouvindo termos como “palavra de homem” para fazer uma promessa. Quando mente “você não é homem”. Se você não tem força, te falam “seja homem!”, se chora  “é mulherzinha”, se fala sem firmeza ou não tem a voz grave, te mandam “falar como homem!”.

Outra razão é a necessidade de segredo e discrição.  Afinal, os afeminados podem colocar em risco o anonimato do casal, tão indispensável para alguns boys.

Mal sabem que, sim, existe algo pior do que se trancar no armário: tentar empurrar de volta para lá quem já pôs a cara no sol e tomou banho de purpurina.

Se a liberdade sexual deve ser ampla o suficiente para permitir que um homem decida amar outro homem, por que detalhes secundários como falar grosso ou desmunhecar, ter o cabelo batidinho ou com mechas, usar calça larga ou justa devem ter tanta importância?

Conclusão

Ele não curte os afeminados. Isso é gosto ou preconceito?

Na minha opinião, não sentir atração é gosto. Eu não me sinto atraída por homens muito mais velhos, por exemplo, e não me considero preconceituosa por isso.

Agora, considerá-los inferiores e degradantes já extrapola qualquer limite de bom senso. Onde há falta de respeito, há preconceito. 

Afeminado sim. E com muito orgulho!

Tá e eai? Eu sou afeminado, o que fazer? Forçar uma barra para não parecer afeminado? Simular toda uma linha machinho?

NÃO! Esqueça isso, mana.

Fingir ser algo diferente do que você é naturalmente para ser amado pela família, aceito pelos amigos ou desejado pelo boy é uma ilusão. Afinal, eles não se encantariam por você, e sim por uma pessoa imaginária.

Além disso, tentar parecer ser o que não é cansa, desgasta, entristece. Sem falar que ninguém consegue manter o personagem para sempre, um dia a máscara cai.

Pense comigo: é muito melhor saber que quem gosta de você gosta de verdade… de você. E se o boy quis ficar com você, foi com você e não com aquele seu “eu imaginário”.

Nunca mude o seu jeito nem perca a sua essência por boy nenhum!

Dê pinta, dê pinto, dê o cu. Dê o que você quiser, mas seja você.

“So don’t be afraid to let them show
Your true colors
True colors are beautiful,
Like a rainbow”

Tags:, , , , ,

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *