Amanda Nunes exalta orgulho em ser a primeira campeã gay do UFC
   Blog Diversidade   │     13 de julho de 2016   │     0:00  │  0

Baiana homenageou a namorada Nina Ansaroff em coletiva de imprensa pós-UFC200

Baiana homenageou a namorada Nina Ansaroff em coletiva de imprensa pós-UFC200

A brasileira Amanda Nunes deu show no UFC 200. Após herdar a vaga de main event da noite, a peso-galo (61 kg) atropelou a então campeã Miesha Tate (61 kg) e garantiu alguns feitos. Além de impor uma derrota relâmpago na resistente adversária, a atleta da ATT se tornou a primeira mulher a ser dona de um cinturão no UFC no País e, como marca histórica, cravou seu nome na história como primeira campeã gay da história do evento.

Por sinal, sua namorada Nina Ansaroff também é uma lutadora do UFC. Além de morarem e treinarem juntas, as atletas dividem a rotina de dieta e horários confusos que apenas atletas de alto rendimento conhecem. E isso é o ponto chave não apenas para o sucesso da nova campeã dentro mas também fora do cage.

“Nina é a melhor parceira de treinos que eu já tive. Essa garota será a próxima campeã do UFC. Ela tem muitos talentos e vai mostrar que será campeã. Ela é tudo para mim. Me ajuda todo dia… Eu vou chorar [risos]. Eu amo ela. Isso é demais. O mais importante é que eu sou feliz com a minha vida”, narrou ainda na coletiva de imprensa logo após o combate, para aplausos dos lutadores presentes.

Curiosamente, sua conquista com um fato interessante. Semanas atrás, um ataque à uma casa noturna voltada para o público LGBT em Orlando (EUA) causou comoção no país. E como forma de demonstrar apoio, o UFC lançou nesta semana uma camiseta especial à causa.

“Gostaria que esse tipo de coisa não acontecesse mais. Paz no mundo é importante. Não acho que os EUA vão deixar isso acontecer de novo. Acho que isso vai parar”, profetizou a campeã, com um sinal de otimismo estampado no rosto.

 

Tags:, , ,

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *