Que cuidados os gays devem tomar antes da pratica do sexo anal ?
   Blog Diversidade   │     25 de fevereiro de 2015   │     0:00  │  1

Existem mitos e preconceitos a respeito do sexo anal que, geralmente, são formados a partir de valores morais e religiosos. A ideia de cometer uma prática imoral ou um pecado impede algumas pessoas de experimentar. Outros entendem como uma diversificação na transa.

O receio costuma estar ligado à ideia de que a prática provoca hemorroidas, câncer e incontinência fecal, pontos ainda em discussão por especialistas, e ao medo de sentir dor. De fato, nem todo mundo sente prazer com o sexo anal e isso deve ser respeitado entre os pares, sendo eles hétero ou homossexual. Submeter-se porque é a tara do parceiro não é saudável para o casal. Cedo ou tarde isso se torna um ponto de conflito na relação ou leva à disfunção sexual do desejo. A prática sexual só é boa se oferecer prazer para os dois.

A iniciação ao sexo anal deve ser gradativa e sem pressa de colocar todo o pênis numa única transa. Dessa forma, evita incômodos, dores ou o risco de acabar de repente com uma brincadeira que só começou. Quanto mais segurança se tem na prática, maior é a possibilidade de sentir prazer.

O prazer sexual está intimamente ligado a fatores psicológicos. Por isso que mulheres foram estupradas ou tiveram uma primeira vez traumática têm uma chance maior de desenvolver anorgasmia, vaginismo e dispareunia (dor à penetração) – embora, tecnicamente, sua genitália seja saudável.

A possibilidade de sentir prazer com o estímulo anal existe em ambos os sexos. Isso decorre do fato de as terminações nervosas que levam os estímulos dos órgãos genitais e do ânus serem redundantes. No caso da mulher, a penetração anal ainda pode gerar atrito com a mucosa vaginal, devido à pressão exercida pelo pênis através da mucosa anal, o que tende a ser prazeroso.

HIV e doenças infecciosas

Não é só pela possibilidade maior de sangramentos que o sexo anal aumenta a chance de transmissão do HIV. Como o reto é a área mais infectada (leia-se: cheia de micro-organismos) do corpo, ele necessita de uma ampla defesa, que não permita a invasão de outros locais por esses patógenos. Assim, é natural que o reto possua uma concentração maior de glóbulos brancos. E no meio deles, estão os linfócitos T, que albergam o vírus.

Além disso, uma das funções do reto é a absorção de fluidos – que, aliás, é a função de todo o intestino grosso, reabsorver a água que sairia nas fezes em excesso. Misturem pequenos rasgos anais com sangramentos com uma concentração elevada de linfócitos T (e de vírus) e uma pitada de uma mucosa altamente absortiva, pegando quase tudo o que tinha o sêmen ali depositado, e temos uma combinação bombástica para a transmissão (bilateral) do vírus.

Sexo anal receptivo sem proteção, como todos devem saber, é a prática sexual mais arriscada em matéria de transmissão do HIV. Além do HIV, outras doenças podem ser transmitidas através do sexo anal, como o papiloma vírus humano, hepatites A, B e C, amebíase, gonorréia, herpes, chato (pois é), sífilis e até tuberculose.

A tênia (Taenia solium), verme que parasita o ser humano, pode causar uma manifestação grave, devido a uma peculiaridade. No seu ciclo de vida, a tênia, no intestino humano, elimina partes de seu corpo chamadas proglotes, que estão cheias de ovos e saem pelas fezes. Caindo no meio ambiente, vão ser ingeridas por porcos, e acabam se tornando uma espécie de semente, chamada cisticerco. Se o ser humano come carne de porco com cisticercos, eles vão se tornar o verme adulto no intestino humano, e o ciclo recomeça.

Porém, a formação de cisticercos não é exclusiva do porco. Se um ser humano acidentalmente ingerir proglotes, elas vão se tornar cisticercos. E no ser humano, podem se alojar no cérebro e causar a chamada neurocisticercose, com direito a convulsões e tudo o mais. Fica o alerta para praticantes do famoso beijo grego, “ato sexual anal praticado com a língua”. Se a(o) parceira(o) não estiver com a higiene em dia, já viu…

HPV e câncer anal

A imensa maioria dos casos de câncer anal ocorre por conta do HPV (papilomavírus humano). Nos últimos 30 anos, a incidência cresceu 160% nos homens e 78% nas mulheres. Mas também o uso de cigarros está bem associado, aumentando em 4 vezes o risco.

Dano físico

Pode se manifestar de algumas formas, como trauma ano-retal generalizado, hemorroidas, fissuras anais e prolapso retal (a mucosa do reto acaba se exteriorizando pelo ânus). Tem como causas principais a penetração forçada sem lubrificante suficiente, a introdução de objetos largos e a sensibilidade diminuída devido ao uso de álcool ou outras drogas.

Incontinência anal

Apesar de pouquíssimo observado, teoricamente é possível a perda do controle esfincteriano, através da inserção de objetos muito largos (como na prática de fisting), “pratica sexual onde o parceiro ou parceira introduz a mão no reto do parceiro” e quiçá somente da atividade repetida.

Cuidados a se tomar na hora do sexo anal

Camisinha: Existem inclusive camisinhas mais grossas, especiais para a prática do sexo anal.

Lubrificante: Especialmente aqueles à base de água, pois os outros podem danificar o látex e a camisinha rompe.

Evitar objetos muito largos: Por motivos óbvios, muito cuidado também com objetos que entram com tudo e acabam ficando lá dentro.

Jeitinho, sempre: Penetrações muito afoitas vão acabar causando complicações.

Cuidados de higiene antes do sexo anal para evitar riscos à saúde

1º PASSO: Evacuar antes previne que as fezes surjam durante a prática e evita uma situação constrangedora.

2º PASSO: Não passar do coito anal para o vaginal sem antes higienizar o pênis ou trocar a camisinha, para não infectar a vagina com bactérias. O mesmo risco ocorre no contato da língua ou dos lábios no ânus. É necessário usar uma proteção – pode ser a camisinha de língua (que não cobre toda a região da boca, mas incrementa a estimulação, pois é texturizada) ou o plástico filme, aquele para alimentos (que pode ser usado para cobrir toda a área genital feminina e oferece proteção mais completa).

3º PASSO: Higienizar bem o local com água e sabonete após o sexo anal. Ele deve urinar após a transa, para limpar a uretra, e lavar o pênis.

4º PASSO: Usar a camisinha. Ela é uma boa aliada para evitar maior atrito, a contaminação do pênis por bactérias da flora intestinal e as doenças sexualmente transmissíveis.

Higiene. Atrizes pornôs costumam utilizar uma espécie de ducha, ou o famoso Fleet Enema. Mas fazendo a higiene externa adequada, já ajuda bastante. No caso de homens, também é recomendável ter cuidados na hora da higienização anal, ” a famosa duchinha”. A pratica constante da ducha podem causar fissuras graves no ânus.

Riscos do sexo anal

1. Infecções: Devido à altíssima concentração de micro-organismos, inclusive alguns que não são encontrados em outras partes do corpo.

2. Dano físico: O ânus e o reto são estruturas que, apesar de apresentaram alta resistência a micro-organismos, estruturalmente são bem frágeis.

Por fim, com esses cuidados, a experiência tende a se tornar menos traumática e mais prazerosa para ambos parceiros.

“Sexo anal, ou você ama, ou você odeia”: a anatomia explica !

Tags:, , , , , , , , , , , , ,

>Link  

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. tania

    Achei bastante interessante e educativo o texto para os praticantes de sexo anal, tanto homem como mulher….elucidativo todo, sem preconceitos!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *