Pastor exige R$ 500 mil por homofobia de igreja em MT
   Blog Diversidade   │     14 de julho de 2014   │     12:55  │  1

Evangélico alega que foi agredido a socos e pontapés por discriminaçãoA juíza da 14ª Vara Cível de Cuiabá, Ana Paula Carlota Miranda, marcou para o dia 27 de novembro às 14h uma audiência de instrução e julgamento na qual o pastor evangélico Rafael Alves Pereira, requer R$ 500 mil a título de indenização por dano moral e material da Igreja Mundial do Poder de Deus, em Cuiabá. Conforme narrado à Justiça, Rafael Alves Pereira afirma que ingressou em março de 2009 nos quadros de ministros da Igreja Mundial do Poder de Deus como pastor auxiliar.


Em dezembro do mesmo ano, alega que estava dormindo nas dependências da Igreja Mundial quando foi acordado a socos e pontapés pelo pastor identificado apenas por Jademir. A agressão, conforme Rafael, seria resultado de uma discriminação e intolerância do colega que não aceitava o fato dele ter mantido experiências homossexuais antes de entrar para a Igreja Mundial do Poder de Deus e hoje ser considerado um “ex-gay” após se converter a religião.


Por conta disso, registrou boletim de ocorrência e submeteu-se a exames de corpo e delito no IML (Instituto Médico Legal) para comprovar a existência de hematomas após as agressões. Após o episódio, Rafael alega que sofreu constrangimento, pois, foi expulso da Igreja Mundial do Poder de Deus sem apresentar a sua versão dos fatos a respeito da agressão sofrida, o que lhe gerou muita indignação.


Em sua avaliação, essa é uma prova de que os dirigentes evangélicos não aceitam o fato dele ter sido homossexual e logo depois se converter a religião. Rafael Ferreira também relatou que após o episódio da agressão, ainda conviveu em ouvir comentários maldosos do pastor Jademir, acusado de cometer a agressão. “Ele ainda andou dizendo que o Ibama fez uma visita a ele, porque teria batido em um ‘veado’”, contou na ação.


A Igreja Mundial do Poder de Deus foi formada por conta de uma dissidência na Igreja Universal do Reino de Deus. Nacionalmente, é comandada pelo pastor Valdomiro Santiago, investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) de enriquecimento ilícito e fraude contra o sistema financeiro.


Sob o seu comando, foram adquiridas a Fazenda Santo Antônio do Itiquira, localizada no município mato-grossense de Santo Antônio do Leverger. Com 11.054 hectares a fazenda está avaliada em R$ 33 milhões. Em sua infra-estrutura estão incluídos um campo de futebol iluminado e duas piscinas. A igreja ainda é dona da Fazenda Formosa, com 15.080 hectares, que é localizada na mesma região.

>Link  

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. maria claudia dos santos

    Os pastores evangélicos não!Não se deve e nem pode jamais generalizar,atos de alguns por todos,ate porq esse pastor e seus comandados,não seguem a DEUS!HOMOSSEXUAIS QUE DEIXA Á PRATICA, E ACEITA DEUS como seu tudo,de fato tudo muda.Como todos tem o direito e livre arbítrio de ser,hétero,homossexual,etc, de abandonar tais praticas,e arcar com suas escolhas,Acreditando ou não DEUS existe,e detalhe.pior será para esses falsos pastores,estão mais lascados que nós pobres pecadores!!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *