Turismo gay no Carnaval do Rio gerou R$ 461 milhões, diz pesquisa
   Blog Diversidade   │     2 de abril de 2014   │     22:46  │  0

Turistas LGBT representaram quase um terço da renda do Carnaval. De acordo com o levantamento, 86% do grupo tem ensino superior , afirma Carlos Tufvesson, gestor da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio.

Se alguém ainda tinha alguma dúvida de que o Rio de Janeiro é o principal destino gay do Brasil e do mundo, uma pesquisa da Prefeitura da capital fluminense, realizada em parceria com a Universidade Federal Fluminense (UFF), não só consolidou esta tese, como trouxe ainda um dado bastante significativo: o turista LGBT gerou para a economia da cidade uma movimentação R$ 461 milhões.

Para se ter uma ideia da importância deste público para a festa popular realizada no Rio de Janeiro, este dado representa 30,75% do que foi gerado de renda durante a realização dos desfiles no Sambódromo, blocos de rua e festas em casas noturnas. De acordo com a RioTur, o Carnaval gerou para a cidade a movimentação de R$ 1,5 bilhão.

Este montante foi impulsionado pela vinda de 918 mil turistas (estrangeiros e brasileiros), sendo que 137 mil se consideraram homossexuais, bissexuais, travestis e transexuais.

A importância econômica deste grupo, em geral bem-sucedido (86% tem ensino superior, de acordo com o levantamento) e sem filhos para sustentar, pode se medir ainda pelo gasto diário: R$ 47 milhões.

 O turista gay brasileiro deixou na economia da cidade, por dia, R$ 302, enquanto que os estrangeiros têm ainda maior poder aquisitivo: R$ 538, entre gastos com hospedagem, alimentação e eventos.A média de idade deste turista (70% homossexuais, 8,8% bissexuais, travestis 0,3% e transexuais 0,1% – os outros 20% são heterossexuais, mais conhecidos como “simpatizantes”) é de 26 anos. A maioria vêm do Brasil (82%) e do estado de São Paulo (32,7%), Minas Gerais (19,2%), Rio de Janeiro (13,5%), Distrito Federal (5%) e outros (2,8%). Os estrangeiros representaram na amostra 15,8% do público, com destaque para os norte-americanos (20%), Inglaterra (10%) e Canadá (7,4%).

Reforçando a tese do Rio de Janeiro como destino gay, o público LGBT pesquisado ao longo das festas de Carnaval, em média, respondeu que aquela era a sétima oportunidade que visitava a cidade, sendo que a renda individual na amostra representa 8.7 salários mínimos (R$ 6.300). “Vou gastar quanto eu quiser, eles dizem, tenho dinheiro para gastar, isso foi o que a gente mais ouviu. Não é uma generalidade, mas existe essa despreocupação com essa renda elevada”, explicou Marques.

Ele comentou ainda a grande incidência deste público em viagens para o Rio de Janeiro. “As outras pesquisas que a gente fez, na Copa das Confederações e Jornada Mundial da Juventude, por exemplo, a média era baixa, na média, 70% das pessoas era a primeira vez. Então esse número de sete vezes é bastante alta, especialmente se pensar que poderiam ter inúmeros outros destinos”, complementou.

No geral, de 1 a 5, a nota dada para a cidade foi de 3,9. Sobre a questão da violência na capital fluminense, com números cada vez mais elevados, o pesquisador explicou que “baseada em outras pesquisas, a gente pensou em colocar alguma coisa, mas como o questionário já estava muito extenso, não seria o foco. Pela minha percepção, não tivemos relatos. As pessoas reclamavam de transporte. E o clima de Carnaval não é de reclamação”.

 

Fonte e foto: Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro.

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *