Monthly Archives: fevereiro 2014

Wanessa convoca produtores renomados da cena brasileira pra remixar “Turn It Up”;
   Blog Diversidade   │     28 de fevereiro de 2014   │     0:00  │  0

Enquanto o videoclipe recebe os últimos retoques, “Turn It Up”, novo single da Wanessa em parceria com o rapper norte-americana Soulja Boy, acaba de ganhar 4 remixes.

Renomados DJs da cena eletrônica brasileira foram convocados para fazer sua versão da nova música da artista, que está grávida do seu segundo filho. O lançamento, claro, é em primeiro mão aqui no POPline.

Breno Barreto, que está bombando nas pistas com “Cha Cha Boom”, com Nicky Valentine, fez dois remixes.  A versão de Mauro Mozart, um dos produtores mais requisitados e respeitados da cena, fez um remix para aquecer qualquer balada.

 Breno Barreto, que está bombando nas pistas com “Cha Cha Boom”, com Nicky Valentine, fez dois remixes. Ouça:

A versão de Mauro Mozart, um dos produtores mais requisitados e respeitados da cena, fez um remix para aquecer qualquer balada.

Tommy Love também arrebentou! O produtor, que já assinou remix oficiais para Rihanna eJessica Sutta, acertou a mão – ele, assim como Wanessa, também é artista da Sony music.

>Link  

Últimas Vagas – Inscreva-se gratuitamente no 1º Congresso Internacional sobre Liberdades Civis Fundamentais
   Blog Diversidade   │     27 de fevereiro de 2014   │     0:00  │  0

Inscrições aberta

No dia 12 de março de 2014, o auditório do STJ receberá o 1º Congresso Internacional sobreLiberdades Civis Fundamentais, organizado pela Associação Nacional de Juristas Evangélicos – (ANAJURE). As inscrições já estão abertas e podem ser realizadas gratuitamente via internet neste link. As vagas são limitadas.

Além de debatedores nacionais, o evento terá como palestrantes principais o Doutor Jónatas Machado – Professor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra – Portugal, e o Doutor Thomas Schirrmacher – Diretor Executivo do International Institute for Religious Freedom da Alemanha, e também conselheiro da primeira-ministra alemã, Angela Merkel. Diretores, coordenadores e associados da ANAJURE de todo o Brasil também estarão presentes.

“Será um momento ímpar para, numa das mais altas cortes do país, colaborarmos com o debate acadêmico-jurídico sobre a Liberdade Religiosa, a Liberdade de Expressão e a Objeção de Consciência, valores fundantes de um Estado Democrático de Direito”. Dr. Uziel Santana, presidente da ANAJURE.

Confira a Programação completa (Click aqui e veja a versão em PDF)

INSCRIÇÕES AQUI

>Link  

Para brasileiros, pregar contra a homossexualidade é homofobia
   Blog Diversidade   │     26 de fevereiro de 2014   │     0:00  │  0

Estudo realizado a pedido da revista Época trata sobre diversos temas ligados às religiões

Uma pesquisa realizada pelo IBOPE Inteligência/CNT (Confederação Nacional dos Transportes) mostra a opinião da população brasileira a respeito de temas polêmicos envolvendo religião e temas como aborto, uso de camisinha e homofobia.
O estudo foi realizado a pedido da revista Época tomando o depoimento de 2.002 pessoas de 141 municípios brasileiros entre os dias 5 e 9 de dezembro.
Dessas pessoas, 69% acreditam que o aborto fere os preceitos da sua religião, independente de qual seja, e 27% responderam que não fere.
Enquanto a maioria fala que o aborto vai de encontro com suas crenças, 73% acreditam que o uso da pílula anticoncepcional ou camisinha não fere os preceitos de uma religião.
  
Ainda relacionado ao sexo, os entrevistados, 61% deles, responderam que sexo antes do casamento também não fere os princípios religiosos, porém a homossexualidade dividiu opiniões: 45% afirmaram que ser homossexual vai contra a crença, 49% disseram que não.
Por falar em homossexualismo a amostragem do IBOPE questionou os entrevistados se um líder religioso deve ser acusado pelo crime de homofobia se pregar contra homossexuais. A maioria, 60%, respondeu que sim.

Pedofilia, padres gays e ordenação feminina

A pesquisa também tratou de temas ligados diretamente à Igreja Católica como a ordenação de mulheres, a participação de padres gays e aos problemas da igreja.
Os resultados foram que 48% são contra e 46%, a favor a ordenação de mulher; 74% é contra a ideia de padres gays; e 60% afirmam que o maior problema da Igreja Católica são os casos de pedofilia, seguido pela corrupção (16%) e do distanciamento da realidade dos fieis (8%).
Dos entrevistados pelo IBOPE, 61% se declararam católicos, 24% evangélicos e 4% de outras religiões. A maioria deles declarou ser praticante. Apenas 10% dos participantes declararam que não tem religião.

>Link  

Salvador realizará 9ª edição do Observatório da Discriminação Racial e LGBT
   Blog Diversidade   │     25 de fevereiro de 2014   │     18:14  │  0

O Observatório da Discriminação Racial e LGBT, Violência contra Mulher e Exploração Sexual da Criança e Adolescente é um programa realizado e coordenado pela Secretaria Municipal da Reparação (Semur) com a participação de órgãos da esfera estadual e municipal, além de 140 observadores que serão distribuídos ao longo dos circuitos.
Em sua 9ª edição, sob o tema Igualdade é Respeitar as Diferenças, o Observatório se configura como uma ação afirmativa que tem como objetivo mapear e registrar as ocorrências de discriminação racial, violência contra mulher e lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT), e este ano, a exploração sexual da criança e adolescente.
Dados estatísticos do censo 2010 apontam que a cidade de Salvador é a terceira capital brasileira em número de pessoas que se autodeclaram como negros ou negras. No ano passado, o Observatório constatou um aumento em 17% em seus dados de denúncia e observação, o que revela a necessidade de continuidade e fortalecimento deste projeto.
Pioneiro no Brasil, o projeto vem se consolidando com a missão de prevenir e combater as discriminações e desigualdades em especial, de gênero, raça e orientação/identidade sexual. A proposta é construir indicadores que sejam utilizados como subsídios para a formulação e implantação de políticas públicas, com o objetivo de prevenir a discriminação e desigualdade.
Além de identificar casos que envolvam discriminação racial, de gênero, orientação/identidade sexual e exploração sexual da criança e adolescente, os agentes de Observação podem orientar os foliões indicando os locais de recebimento de denúncia e o disque 156.
PARCEIROS: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Conselho Municipal das Comunidades Negras (CMCN), Ministério Público do Estado da Bahia, Delegacia Especial de Atendimento a Mulher, Fórum Baiano LGBT, Correio Nagô, Defensoria Pública, Grupo Gay da Bahia (GGB), Site Dois Terços, UNICEF, UNFPA, Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI), Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Secretaria de Políticas para as Mulheres, Secretaria Municipal da Saúde, Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza, Superintendência de Políticas para as Mulheres, Núcleo de Religiões de Matrizes Africanas da Polícia Militar da Bahia (NAFRO/PM), Shopping Center Lapa, Shopping Center Piedade, Shopping Center Barra, Salvador Shopping, Salvador Norte Shopping, Salvador Card, Faculdade Dom Pedro II.

>Link  

Salvador realizará 9ª edição do Observatório da Discriminação Racial e LGBT
   Blog Diversidade   │       │     18:14  │  0

O Observatório da Discriminação Racial e LGBT, Violência contra Mulher e Exploração Sexual da Criança e Adolescente é um programa realizado e coordenado pela Secretaria Municipal da Reparação (Semur) com a participação de órgãos da esfera estadual e municipal, além de 140 observadores que serão distribuídos ao longo dos circuitos.
Em sua 9ª edição, sob o tema Igualdade é Respeitar as Diferenças, o Observatório se configura como uma ação afirmativa que tem como objetivo mapear e registrar as ocorrências de discriminação racial, violência contra mulher e lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT), e este ano, a exploração sexual da criança e adolescente.
Dados estatísticos do censo 2010 apontam que a cidade de Salvador é a terceira capital brasileira em número de pessoas que se autodeclaram como negros ou negras. No ano passado, o Observatório constatou um aumento em 17% em seus dados de denúncia e observação, o que revela a necessidade de continuidade e fortalecimento deste projeto.
Pioneiro no Brasil, o projeto vem se consolidando com a missão de prevenir e combater as discriminações e desigualdades em especial, de gênero, raça e orientação/identidade sexual. A proposta é construir indicadores que sejam utilizados como subsídios para a formulação e implantação de políticas públicas, com o objetivo de prevenir a discriminação e desigualdade.
Além de identificar casos que envolvam discriminação racial, de gênero, orientação/identidade sexual e exploração sexual da criança e adolescente, os agentes de Observação podem orientar os foliões indicando os locais de recebimento de denúncia e o disque 156.
PARCEIROS: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Conselho Municipal das Comunidades Negras (CMCN), Ministério Público do Estado da Bahia, Delegacia Especial de Atendimento a Mulher, Fórum Baiano LGBT, Correio Nagô, Defensoria Pública, Grupo Gay da Bahia (GGB), Site Dois Terços, UNICEF, UNFPA, Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI), Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Secretaria de Políticas para as Mulheres, Secretaria Municipal da Saúde, Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza, Superintendência de Políticas para as Mulheres, Núcleo de Religiões de Matrizes Africanas da Polícia Militar da Bahia (NAFRO/PM), Shopping Center Lapa, Shopping Center Piedade, Shopping Center Barra, Salvador Shopping, Salvador Norte Shopping, Salvador Card, Faculdade Dom Pedro II.

>Link