Monthly Archives: novembro 2013

22 anos sem o rei Freddie Mercury
   Blog Diversidade   │     30 de novembro de 2013   │     0:00  │  0

Freddie Mercury, nome artístico de Farrokh Bulsara, morreu em 24 de novembro de 1991

Em 24 de novembro de 1991 o mundo perdia uma das vozes mais influentes da história do rock’n roll. Morria o cantor Freddie Mercury, dono da voz que eternizou músicas como: We Are the Champions, Somebody to Love, Under Pressure, Radio Ga Ga e Bohemian Rapsody.

Há 22 anos, a debilidade de Freddie Mercury em decorrência da aids já era algo notório. O cantor, enfraquecido pela doença, segurava taças com as duas mãos e andava com dificuldade, nunca perdendo o bom humor.

O único pedido do cantor era de que não deixassem o ser esquecido. Com inúmeros sucessos consagrados, o cantor, compositor e músico, assegurou um lugar privilegiado na história do rock’n roll.

Freddie Mercury, nome artístico de Farrokh Bulsara, nasceu na colônia britânica Cidade de Pedra, em Zanzibar , hoje parte de Tanzânia, sendo que seus pais, Bomi e Jer Bulsara, eram parsis zoroastrianos de Guzerate, na Índia.  A família Bulsara se mudou da Índia para Zanzibar para que Bomi pudesse manter seu emprego no Banco Colonial Inglês, e lá o casal também teve sua segunda filha, Kashmira. Sua trajetória também vem através de sua carreira como cantor, pianista e compositor que ficou mundialmente famoso como vocalista da banda britânica de hard rock- Queen, que ele integrou de 1970 até o ano de sua morte.

Mercury, tornou-se célebre pelo seu poderoso tom de voz e suas performances energéticas que sempre envolviam a plateia, sendo considerado pela crítica como um dos maiores artistas de todos os tempos. Como compositor, Mercury criou a maioria dos grandes sucessos dos Queen, como “We Are the Champions”, “Love of my Life”, “Killer Queen”, “Bohemian Rhapsody”, “Somebody to Love” e “Don’t Stop Me Now”. Além do seu trabalho na banda, Mercury também lançou vários projetos paralelos, incluindo um álbum solo, Mr. Bad Guy, em 1985, e um disco de óperaao lado da soprano Montserrat Caballé, Barcelona, em 1988. Mercury morreu vítima de broncopneumonia, acarretada pela AIDS, em 1991, um dia depois de ter assumido a doença publicamente.

Brian May, guitarrista dos Queen, afirmou, recentemente, num entrevista à revista ‘Mojo’, que foram encontrados demos inéditos com a voz de Freddie Mercury.

Se em breve haverá ou não um álbum com gravações inéditas dos Queen, todos os planos estão em aberto. “Fico nervoso em dizer que existe um disco aqui, mas existem definitivamente, alguns temas [novos]”, disse o guitarrista Brian May à Mojo.

As demos inéditas com a voz de Freddie Mercury (1946-1991) agora descobertas estão a ser reconvertidas para formato digital. Só depois deste processo ficar finalizado é que a banda vai decidir o destino deste material.

“De momento estamos a trabalhar em canções novas à volta destas [demos descobertas], que foi como fizemos o álbum Made in Heaven [editado em 1995, quatro anos depois da morte de Mercury, que foi, possivelmente, o melhor que os Queen alguma vez fizeram”, disse ainda o músico.

Além de Brian May, nos Queen resta apenas o baterista Roger Taylor. Em 2008 o grupo lançou um álbum em parceria com o cantor Paul Rodgers (ex-Bad Company), sob o nome Queen + Paul Rodgers, formação que chegou ao fim em 2009.

Mercury era assumidamente bissexual, embora seja costumeiramente descrito como totalmente gay. Em dezembro de 1974, quando perguntado diretamente sobre sua sexualidade por um repórter do jornal NME, Mercury respondeu que “houve uma época em que ele era jovem e desprotegido”, e que teve sua “cota de humilhações escolares”, deixando implícito que ser gay lhe levou a ser discriminado por seus colegas de escola, sendo que raramente Freddie falava sobre sua vida particular para a imprensa

 

>Link  

Quem tem medo de Cris Negão ?
   Blog Diversidade   │     29 de novembro de 2013   │     0:00  │  0

Cris Negão. Uma lenda ou realidade ?

Cristiane Jordan, ou Cris Negão como era chamada, foi uma travesti cafetina do centro de São Paulo conhecida por seus métodos violentos de controle das outras travestis. Odiada e temida por uma legião, ela também tinha seus fãs, até que tragicamente foi assassinada com dois tiros na cabeça. O filme é um mergulho no universo das travestis, a partir dessa figura lendária do submundo de São Paulo.

O curta é mais um trabalho do grande diretor René Guerra. Guerra é formado em cinema pela FAAP (2006). Diretor de cinema e teatro, completou seu primeiro curta-metragem OS SAPATOS DE ARISTEU em 2008, que recebeu 36 prêmios em festivais no Brasil e no mundo. Em 2009 estreou o seu curta-metragem CASA no Berlinale 2010. Em 2012, René lançou o documentário QUEM TEM MEDO DE CRIS NEGÃO ? em 2012.

O curta concorreu e ganhou os 10 prêmios preferidos do público como, 23º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo (2012),  Prêmio da Oficina Janela Crítica na categoria de Melhor Curta Brasileiro no V Janela Internacional de Cinema de Recife (2012), prêmio Aquisição Canal Brasil no 20º Festival MIX Brasil de Cultura da Diversidade (2012), troféu Marlene, melhor curta da Mostra 4 estações no 19º Vitória Cine Video (2012), prêmio do Júri Popular no Curta Cinema – Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro (2012) e foi a preferência de público na 17º FAM – Florianópolis Audiovisual Mercosul (2013).

Assista aqui o Curta: Quem tem medo de Cris Negão?

>Link  

Gay pode sentir atração pelo sexo oposto sem ser bissexual ?
   Blog Diversidade   │     28 de novembro de 2013   │     12:00  │  0

Situações retratadas em ‘Amor à Vida’ por Félix e Eron, homossexuais assumidos que acabam transando com mulheres, não fazem deles, necessariamente, héteros ou bissexuais, segundo especialistas

Se um homem casado com uma mulher sentir, em algum momento da vida, atração por um colega de trabalho, significa que ele é homossexual? E se um homossexual assumido se ver de repente interessado no sexo oposto, ele deixou de ser homossexual? Seriam, então, bissexuais? Estereotipar desta forma é “complicado” e as respostas a todas as perguntas, segundo a psiquiatra e coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade da USP, Carmita Abdo, são negativas. “Há quase um século, o pesquisador Alfred Kinsey descobriu que heterossexuais e homossexuais exclusivamente ‘héteros’ ou ‘homos’ é um mito”, justificou.

Kinsey criou uma escala com orientações intermediárias entre os absolutamente heterossexuais e homossexuais com, por exemplo, os interessados no sexo oposto, mas que esporadicamente sentem atração por pessoas do mesmo sexo. A classificação soma sete diferentes condições, tendo como centro a bissexualidade. Cada categoria varia de acordo com a frequência das situações vividas pelos indivíduos. “Depende se foi um caso isolado, aconteceu por curiosidade, se a pessoa estava alcoolizada, em um momento frágil, tudo é relativo”, explicou a psiquiatra.

A novela Amor à Vida, exibida pela TV Globo, retrata dois casos que podem servir como exemplos. O personagem Félix (Matheus Solano) demorou a assumir a homossexualidade na trama, mas, mesmo depois de declarar o gosto por homens, teve relações sexuais com a mulher de fachada Edith (Bárbara Paz). O personagem Eron (Marcelo Antony), parceiro de Niko (Thiago Fragoso), já caiu mais de uma vez nos braços da amiga do casal Amarilys (Danielle Winits). “Não significa que por o homem estar atraído pela mulher mudou de homo para hétero”, afirmou Carmita.

Amarylys e Eron tiveram noite de sexo na novela ‘Amor à Vida’

O homem homossexual pode sentir atração por uma mulher em especial, pelas características de comportamento ou físicas dela, mesmo que o sentimento não faça parte da orientação sexual dele, explicou a psiquiatra. Em alguns casos, ela pode seduzi-lo e até conquistá-lo afetivamente, porém não necessariamente ele se tornará heterossexual ou bi, acrescentou. É o que também afirmou a estudante de fisioterapia Beatriz Barros, que mantém relacionamento homoafetivo há quase dois anos: “se existisse um vínculo bem próximo, partindo de uma amizade, por exemplo, uma pessoa homossexual se relacionaria com alguém do sexo oposto”.  Mas, não quer dizer que a homossexualidade não está bem resolvida, reforçou Beatriz.

Tampouco dá para cravar que o indivíduo é bissexual por causa disso. O que pode acontecer, segundo Carmita, é uma confusão durante a formação da sexualidade. Psicóloga há 25 anos, Walnei Arenque, recebe casos em seu consultório de “pacientes que tiveram a primeira relação com pessoas do mesmo sexo e depois de terminarem se questionam se são héteros ou homos”. A certeza, porém, só vem com o tempo e no período de descoberta podem ocorrer equívocos. “No começo não tinha muita certeza do que eu queria, só depois que fiquei com um menino percebi que era homo”, contou Beatriz.

Só é bissexual quando se tem frequentemente relações tanto com homens como com mulheres em proporções semelhantes

Para Carmita Abdopsiquiatra e coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade da USP

“Existem pessoas que vivem em momentos alternados. Ora estão em relacionamento de longa data com alguém do outro sexo e, outra com um indivíduo do mesmo sexo. Isso é mais frequente do que se imagina”, afirmou Carmita. Apesar disso, socialmente a condição ainda não é aceita, afirmou Walnei. Principalmente, quando se trata de um homem homossexual, que busca ter também relacionamentos com mulheres, na opinião da psicóloga.

A bissexualidade, com registros de ocorrência desde a Grécia Antiga, sofre preconceito tanto dos homossexuais como dos heterossexuais hoje em dia, disse Walnei. Geralmente, a orientação sexual é vista como “fase” ou “pretexto para sacanagens”. “O bissexual ainda não mostrou a sua cara e vai enfrentar uma batalha, assim como os homossexuais, para serem aceitos na sociedade”, acrescentou a psicóloga. Segundo pesquisas da psiquiatra Carmita, apenas 1% das mulheres e no máximo 2% dos homens assumem a condição, contra cerca de 10% que se dizem homossexuais.

>Link  

Heterossexual ou gay? Formato do rosto pode revelar opção sexual
   Blog Diversidade   │     27 de novembro de 2013   │     16:58  │  0

Segundo estudo, gays têm mandíbulas mais arredondada e rostos e narizes relativamente mais largos e curtos

Da esquerda para a direita, características faciais comuns em gays, rosto neutro e traços de heterossexuais

Um estudo sugere que os diferentes formatos de rosto podem revelar as preferências sexuais dos homens. Pesquisadores da Academia de Ciências da República Checa e do Centro de Estudos Teóricos da Universidade Charles, em Praga, decidiram estudar as características faciais de homens gays e heterossexuais para saber se elas estão relacionadas à orientação sexual. As informações são do Huffington Post.

Foram realizados dois estudos: um analisou se os gays têm visivelmente diferentes características visuais que os heterossexuais, e o outro analisou se a orientação sexual pode ser determinada apenas com base neste recurso.

No primeiro estudo, pesquisadores reuniram 40 homens que se interessavam por pessoas do mesmo sexo e 40 homens que se relacionavam com mulheres. Todos checos e brancos. Depois de tirarem 80 fotos com mais de 11 mil coordenadas, foi possível notar um padrão. “Os homens gays mostraram rostos relativamente mais largos e curtos, narizes menores e mais curtos e mandíbulas mais arredondada, apontou o estudo.

O segundo estudo reuniu 33 gays e 33 heterossexuais com 20 anos. Quarenta estudantes do sexo feminino e 40 masculinos foram solicitados a classificar a orientação sexual dos 66 participantes em uma escala de um a sete, sendo que um representava o extremo para heterossexual e sete para homossexual. Além disso, eles classificaram os traços mais masculinos e femininos de cada participante.

As formas de rosto de homens gays foram classificadas como mais masculinas do que os heterossexuais. Além disso, os avaliadores não foram capazes de determinar a orientação sexual com as imagens. “Isso mostra que o julgamento da orientação sexual com base em características estereotipadas leva ao equívoco frequente”, escreveram os autores.

“É necessário apontar para possíveis mal-entendidos dos nossos resultados”, disse Jarka Valentova, uma das responsáveis pelo estudo. “O fato de termos encontrado algumas diferenças morfológicas significativas entre homens homossexuais e heterossexuais não significa que qualquer um dos grupos é facilmente reconhecível na rua (e nosso estudo 2, na verdade, mostra que não é assim tão fácil de adivinhar a orientação sexual de alguém sem conhecê-lo)”, completou.

Ela também acrescentou que o tamanho da amostra utilizada foi pequena e, para que o estudo tivesse mais validade, seria necessário aplica-lo em homens de diferentes etnias.

>Link  

Parada Gay, Festival de Cultura LGBT e Ato Interreligioso agitarão este próximo final de semana em Maceió
   Blog Diversidade   │     21 de novembro de 2013   │     13:05  │  0

 Nesta próxima sexta-feira, 22/11, a partir das 18 horas a Capital Alagoana dará inicio a realização do primeiro Festival Estadual de Cultura LGBT. A abertura do Festival acontecerá com um Ato Interreligioso, uma ação inédita, das Paradas de todo País.

As apresentações estão para lá de atrativas e alternativas. O publico terá a oportunidade de assistir e ouvir “Música, Dança, Teatro, Recital de Poesia, Show´s de Drag Queen´s, Transformistas, entre outras, manifestações culturais.” Entre as atrações do festival, se destacam a participação do cantor Igbonan Rocha e Samba de Nego e o espetáculo Priscila a Rainha do Sertão, na sexta, já no sábado, o show da cantora Kell Monalisa e a participação da cover de Elba Ramalho – transformista Michelly Summer de São Paulo entre outras variedades de atrações.

O evento acontecerá das 18 às 00h, na Praça Rayol, no bairro de Jaraguá, ao lado da choperia Orákulo, nos dias 22 e 23 do mês de Novembro.

Já no domingo, 24 de novembro, a 13ª Parada do Orgulho LGBT de Maceió/AL terá sua concentração a partir das 12 horas, em frente ao clube do CRB, na orla de Pajuçara.

A partir das 14h, a comissão organizadora do evento, esta programando um grande ato publico, que este ano contará com a presença de grandes militantes do cenário nacional como Fernando Quaresma – Presidente da Associação da Parada do Orgulho LGBT de SP, Sandra Munhoz – Ativista feminista no Brasil, Alessandro Melquior – Presidente do Conselho Nacional de Juventude, Leonora Pereira – Coordenadora do Grupo Mães pela Igualdade e Luiz Mott – Fundador do Grupo Gay da Bahia e um dos maiores militantes LGBT do Brasil. Mott, também esta vindo como convidado de honra, pois, estará sendo homenageado e receberá a faixa de padrinho da Parada Gay, junto com a secretária do Prefeito de Maceió, Adriana Vilela Toledo, que receberá o título de Madrinha do evento.

Já está confirmada a estrutura de dois trios elétricos, além do camarote vip móvel, que seguirá o trio oficial.

A animação da celebração do evento, ficará por conta dos Dj´s Locais  John e Luck, também teremos a participação da Drag/Dj Thânia Tulmuto de Recife, além Dj da Jovem PAN/SP – Paulo Pringles  e a cantora Lorena Simpson que estará fazendo o show de encerramento do evento.

A partir do meio dia de domingo, ruas paralelas ao percurso serão fechadas, para que assim os participantes possam curtir melhor o evento. O evento também contará com o efetivo de 150 policiais militares, que estarão espalhados por todo o evento e na areia da praia. Teremos também a participação ostensiva do corpo de bombeiros, SMTT, SLUM, SMCCU e SAMU, além da participação da guarda municipal e BOPE.

Venham participar desse grande momento, traga suas reinvindicações em prol de uma Alagoas melhor, com paz e respeito à diversidade.

Dicas de segurança:

  • Não ingerir bebidas nem alimentos oferecidos por desconhecidos
  • Sempre utilizar os banheiros químicos espalhados pelo trajeto do evento
  • Ao ver qualquer atitude suspeita, favor denunciar as autoridades ou organização do evento.
  • Sair de casa com o mínimo de objetos pessoais necessários e evitar abusar de bebidas alcoólicas
  • Ao descer ou se dirigir ao transporte, olhar para os lados e recusar a companhia de pessoas desconhecidas.

 

Aqui ficam as dicas, ao mesmo tempo em que desejamos a todos os participantes uma boa parada, com mais amor e cidadania.

 

>Link