Pais gays “conquistas e derrotas de um país dominado pela hipocrisia”
   Blog Diversidade   │     12 de agosto de 2012   │     13:48  │  8

A adoção por casais gays,  direito  reconhecido em decisão  inédita  anteontem pelo STJ (Superior  Tribunal de  Justiça), tira da  criança a  possibilidade de crescer em um  ambiente  familiar formado  por pai e mãe,  afirma o padre Luiz Antônio  Bento,  assessor da  comissão para vida e  família da CNBB (Conferência  Nacional  dos Bispos  do Brasil). Nem sempre o que é legal é moral e  ético, afirma  ele. “Cremos  que a  questão da adoção por casais  homossexuais fere  o direito da  criança de  crescer nessa referência  familiar.” Para padre  Bento, as crianças têm o   direito de  conviver com as figuras masculina  e feminina no papel de   pais.

Há bilhões de pessoas que  discordam disso;  heterossexuais ou não, aceitam outras   referências. Porque  Deus, ao  contrário do que os donos da verdade   aqui na Terra podem pensar, talvez  tenha  feito um mundo não uniforme,   policromático, para dar a todos a   oportunidade de, na convivência com  o  diferente, poder pensar, analisar,   evoluir.

Evolução, entretanto, é opção de cada um, seja qual for sua crença.

As suas crianças, caso permita sua consciência, quando a única opção delas  for o amparo por  duas pessoas do  mesmo  sexo, deixe-as então ao abandono, nas ruas, ou, com alguma sorte,  num orfanato.  As crianças  do  mundo, que tal deixar que a sociedade  acorde (como seria bom se isso   acontecesse!) e decida o que é melhor para elas? Que os homens e   mulheres de   boa vontade as acolham, protejam, amparem,   independentemente do que   façam na cama, longe das crianças. (Heterossexuais   também fazem sexo  longe  das crianças, não?)

É mais fácil  deixá-las abandonadas, ou  em abrigos, orfanatos, sem   dúvida.  Vamos lá visitá-las de vez em quando, fazemos  uma pequena   doação de vez em quando, rezamos uma missa de vez em quando,  e tudo   fica bem… Para deixá-las à própria sorte, que até hoje não lhes sorriu. Para que continuem nessas instituições — algumas  vezes ao  amparo de   doentes abusadores –, não é preciso fazer muito… Aliás,  não é  preciso   fazer nada… (desde que houvesse abrigos para todos,   naturalmente).

Já para um casal  homossexualconseguir a  adoção, padre, precisará   antes provar sua  capacidade de criar,  educar. Precisará demonstrar —   ainda que por avaliação até certo ponto subjetiva do juízo competente —   ter  integridade moral, conduta  ética. Essas coisas que andam faltando a   tanta gente  e a tantas instituições “honradas” deste triste  país.

Não, não pense em nós, monsenhor. Gays,   homossexuais, desviados,   imorais, ou como queira se referir a essa   parcela da humanidade que as   igrejas em geral tanto desprezam. Segundo  suas crenças, a nós já está   reservado um lugar no Inferno, eterno. Por seu  entendimento, não  temos  mesmo nenhum direito, muito menos à  adoção. Sentimento e prática  das  verdadeiras paternidade e maternidade, para gente que pensa como o   senhor — ou como a instituição que representa e da qual é o porta-voz — devem ser possíveis somente aos seres que têm preferência pelo   sexo oposto. [Tudo, para muitos de vocês, se resume a sexo! Quanta “grandeza” de   alma!].

Pensar em direitos iguais para todos, sem discriminá-los segundo a   forma como fazem  sexo  entre quatro paredes, longe das crianças, seria   pedir demais,   reconheço.

Então, pense apenas  no bem dos  pequeninos e indefesos, gerados por pais heterossexuais que os abandonaram, que não têm   direito a optar se querem ou não um lar, ainda que com dois pais, ou   duas mães. Pense só neles. Sinta-os com o coração, e  não a nós  com o   fígado. Tente, de modo tão isento quanto lhe for possível, imaginar o   que Jesus faria, qual   seria a orientação dEle, se pudesse aqui estar  pessoalmente, em carne e osso, para se    manifestar, já que, apesar de todos os  ensinamentos que deixou, apesar dEle estar sempre presente, ainda   nos é tão difícil aplicá-los à  realidade. (mesmo para aqueles que  se julgam, ou se dizem, tão  conhecedores da  Palavra).

E, se querem mesmo evitar que   homossexuais adotem crianças, sugiro   que seu líder comece já uma   campanha (pode ser silenciosa) para que os   heterossexuais e católicos — de todo o mundo –as   adotem.  Antes de   todos. Assim, seriam amparadas por lares heterossexuais   e católicos.   Seria uma bela maneira, inclusive, de desviar a atenção e  redimirem-se   concretamente por tantos erros, de séculos e de tempos  mais recentes.   Concretamente, e não apenas com pedidos de desculpas.

[Quem sabe fossem até imitados pelas concorrentes?]

Seguindo o raciocínio implícito em sua  referência ao  exemplo   familiar, seriam quase todas heterossexuais e  católicas. Seguido o “bom exemplo”,   em breve não  haveria mais crianças para os “outros”. Daqui há    cinquenta anos o mundo  seria algo mais próximo do Paraíso que do   Inferno  atual . Seria, mas, como sabemos, ninguém quer fazer nada de verdade. É  apenas  mais uma oportunidade para atacar e tentar denegrir aqueles que  ousam  ser diferentes. Porque não puderam ser iguais à maioria, mesmo  tendo  sido, padre, todos nós, criados por famílias com pai e mãe   heterossexuais. E, como os meus, católicos. Não faltariam pessoas (católicos e heterossexuais, claro) dispostas a   atender  ao  apelo, não é mesmo? E quando não houver mais crianças   abandonadas,  padre, essa preocupação manifestada em sua (ou da instituição que representa, não importa) declaração   deixará de ter   sentido. Será desnecessária. Que Deus tenha compaixão do homem! E que proteja  sobretudo nossas   crianças (sim, padre, nossas; as crianças são do mundo, pertencem à   humanidade, são nossa continuação)  de nossos preconceitos,  atos e   omissões.

Elas  merecem um mundo melhor do que este que  encontramos. Cremos. P.S. Claro, todos têm direito à manifestação livre das idéias. Assim como Vossa Senhoria o fez, faço aqui. Com uma diferença. Este texto, poucos lerão. O seu, publicado na grande imprensa, milhares leram. Nossa diferença, padre, é que aquilo que penso influencia quase ninguém, enquanto essas suas palavras podem dificultar o bem a muitos, ou fazer muito mal. Dependendo do ponto de vista, claro. Tudo uma questão de consciência. Cada um tem a sua. Felizmente!

Avanço

Maria Tereza Alves Albuquerque, de um mês de vida, foi registrada no Recife, como filha dos empresários Mailton Alves Albuquerque, 35 anos, e Wilson Alves Albuquerque, 40 anos. Maria Tereza foi gerada por meio de fertilização in vitro – Mailton é o pai biológico e o óvulo foi de uma doadora anônima – e gestada no útero de uma prima dele que assinou uma escritura pública abdicando de qualquer direito sobre a criança.

O juiz da Primeira Vara de Família do Recife, Clicério Bezerra e Silva, autorizou o registro da criança com base nos princípios da Constituição Federal: igualdade, dignidade da pessoa humana, não discriminação por raça, sexo ou cor, e livre planejamento familiar. Clicério foi o mesmo juiz que em agosto do ano passado transformou a união estável entre os dois em casamento civil.

Juntos há 15 anos, Maílton e Wilson estão realizados e empolgados com a concretização do sonho de ter uma família. Os pré-embriões fecundados por Wilson – os dois cederam espermatozoides para serem fecundados – foram congelados e deverão ser gerados no próximo ano. “Queremos dar um irmão para Maria Tereza”, afirmou Maílton.

Mito

A lógica parece simples. Pais e mães gays só poderão ter filhos gays, afinal, eles vão crescer em um ambiente em que o padrão é o relacionamento homossexual, certo? Não necessariamente. (Se fosse assim, seria difícil, por exemplo, explicar como filhos gays podem nascer de casais héteros.) Um estudo da Universidade Cambridge comparou filhos de mães lésbicas com filhos de mães héteros e não encontrou nenhuma diferença significativa entre os dois grupos quanto à identificação como gays. Mas isso não quer dizer que não existam algumas diferenças. As famílias homoparentais vivem num ambiente mais aberto à diversidade – e, por consequência, muito mais tolerante caso algum filho queira sair do armário ou ter experiências homossexuais. “Se você cresce com dois pais do mesmo sexo e vê amor e carinho entre eles, você não vê nada de estranho nisso”, conta Arlene Lev, professora da Universidade de Albany. Mas a influência para por aí. O National Longitudinal Lesbian Family Study é uma pesquisa que analisou 84 famílias com duas mães e as comparou a um grupo semelhante de héteros. Ainda entre as meninas de famílias gays, 15,4% já experimentaram sexo com outras garotas, contra 5% das outras. Já entre meninos, houve uma tendência contrária: 5,6% nos adolescentes criados por mães lésbicas tiveram experiências sexuais com parceiros do mesmo sexo – mas menos do que os que cresceram em famílias de héteros, que chegaram a 6,6%. Ou seja, não dá para afirmar que a orientação sexual dos pais tenha o poder de definir a dos filhos.

O Brasil precisa evoluir como outros países

A rede de lojas americana JC Penney criou uma polêmica maravilhosa nos últimos dias. Na campanha do Dia dos Pais (que nos Estados Unidos acontece no terceiro domingo de junho, isto é, no próximo dia 17) eles trazem fotos de filhos sendo felizes ao lado dos pais e fazendo coisas que fazemos com nossos pais durante a infância. Tipo, sei lá, pescar. Mas a polêmica foi que a campanha traz também uma família composta de duas crianças e dois pais. Gays.

A frase é a seguinte “Primeiros amigos: O que faz papai ser tão maneiro? Ele é técnico de natação, construtor de barracas, melhor amigo, conserta bicicleta e dá abraços – tudo num só. Ou dois” (“First Pals: What makes Dad so cool? He’s the swim coach, tent maker, best friend, bike fixer and hug giver–all rolled into one. Or two.”). E o mais legal é que é uma família de verdade. Todd Koch e Cooper Smith são mesmo pais de Claire e Mason.

Hora de acordar

A verdade é. ” Enquanto a igreja luta pela moral e os bons costumes e impor direitos só para a família tradicional, a mesma se perde no fim da meada de um mundo cercado pela violência e a vulnerabilidade social, a cada dia mais jovens engravidam mais cedo, pais não tem a responsabilidade de educar e cuidar de seus filhos, crianças são jogadas em orfanatos como se fossem lixo”.

Espero que em breve a sociedade acorde das garras deste imperialismo imposto pela igreja católica, e hoje cada vez mais sustentado por outras religiões, que na verdade só defendem seus interesses própio.

>Link  

COMENTÁRIOS
8

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. maria claudia dos santos

    BOM DEUS fez adão e eva e não eva e evinha e nem adão a adãozinho.ou seja femEa e macho .e ponto isso é precomceito meu?.Bom e onde fica meu direito de livre expressão????UM ERRO NÃO JUSTIFICA OUTRO,E A REFERENCIA DA CRIANÇA DE UMA MÃE OU DE UM PAI ONDE FICA!!!!ALIÁS OS HOMOSDSEXUAIS VIERAM D UMA FEMEA E DE UM MACHO?CERTO E AIIIIIIIIIII!!!

    Reply
    1. Juliano

      Maria,
      Pela sua indgnação você precisa de um terapeuta, precisa analisar mais cuidadosamente a sua sexualidade, com certeza tem uma frustação muito grande e/ou uma vontade oculta de experiementar o que julga ser errado.
      Mas na sua ingnorância fala uma coisa certa: “BOM DEUS”.
      Deus é bondade e amor, não raiva e ódio.
      Outra dica: volte pra escola e aprenda a escrever direito.

      Reply
  2. maria claudia dos santos

    BOM DEUS fez adão e eva e não eva e evinha e nem adão a adãozinho.ou seja femEa e macho .e ponto isso é precomceito meu?.Bom e onde fica meu direito de livre expressão????UM ERRO NÃO JUSTIFICA OUTRO,E A REFERENCIA DA CRIANÇA DE UMA MÃE OU DE UM PAI ONDE FICA!!!!ALIÁS OS HOMOSDSEXUAIS VIERAM D UMA FEMEA E DE UM MACHO?CERTO E AIIIIIIIIIII!!!

    Reply
    1. Juliano

      Maria,
      Pela sua indgnação você precisa de um terapeuta, precisa analisar mais cuidadosamente a sua sexualidade, com certeza tem uma frustação muito grande e/ou uma vontade oculta de experiementar o que julga ser errado.
      Mas na sua ingnorância fala uma coisa certa: “BOM DEUS”.
      Deus é bondade e amor, não raiva e ódio.
      Outra dica: volte pra escola e aprenda a escrever direito.

      Reply
  3. Antonio

    Nildo,
    Parabens pelas suas palavras e coragem, fico feliz pela classe gay estar tendo um porta voz que parece ser culto e sensato.
    Sou pai e gay, adotei tendo junto com uma amiga. Meu filho mora comigo desde que tinha um dia de vida. Já é um adolescente que sabe a verdade sobre sua historia e a de seus pais e aceita muito bem. Sou apaixonado pelo meu filho que é razão da minha vida e sinto também o quanto ele me ama. Passo a ele tudo que meus pais (heteros) me passaram: ética, respeito as pêssoas, fé e temência a Deus, educação, responsabilidade e não tenho duvidas estou fazendo um ótimo trabalho. Algumas pessoas ingnorantes esquecem que Jesus veio a esse mundo semear a paz, o amor e a tolerância, essas pêssoas deturpam as palavras Divinas em nome de uma falsa moral. Onde existe amor, existe Jesus. Em qualquer adoção existe muito amor.

    Reply
  4. Antonio

    Nildo,
    Parabens pelas suas palavras e coragem, fico feliz pela classe gay estar tendo um porta voz que parece ser culto e sensato.
    Sou pai e gay, adotei tendo junto com uma amiga. Meu filho mora comigo desde que tinha um dia de vida. Já é um adolescente que sabe a verdade sobre sua historia e a de seus pais e aceita muito bem. Sou apaixonado pelo meu filho que é razão da minha vida e sinto também o quanto ele me ama. Passo a ele tudo que meus pais (heteros) me passaram: ética, respeito as pêssoas, fé e temência a Deus, educação, responsabilidade e não tenho duvidas estou fazendo um ótimo trabalho. Algumas pessoas ingnorantes esquecem que Jesus veio a esse mundo semear a paz, o amor e a tolerância, essas pêssoas deturpam as palavras Divinas em nome de uma falsa moral. Onde existe amor, existe Jesus. Em qualquer adoção existe muito amor.

    Reply
  5. Flávio

    Que falta do que escrever essa mulher postar uma asneira dessas, direitos humanos todo mundo tem, livre expressão também, mas abrir a boca pra falar besteira é melhor ficar calada, comprar uma cartilha e aprender a escrever melhor…

    Que Deus tenha pena desta pobre alma mau amada, e alivie o sentimento de ódio dentro dela… Amem!

    Reply
  6. Flávio

    Que falta do que escrever essa mulher postar uma asneira dessas, direitos humanos todo mundo tem, livre expressão também, mas abrir a boca pra falar besteira é melhor ficar calada, comprar uma cartilha e aprender a escrever melhor…

    Que Deus tenha pena desta pobre alma mau amada, e alivie o sentimento de ódio dentro dela… Amem!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *