GGB divulga relatório dos assassinatos de homossexuais no Brasil – 1º semestre 2012
   Blog Diversidade   │     4 de julho de 2012   │     19:04  │  2

Um homossexual é assassinado no Brasil a cada 26 horas. Paraíba é o estado mais homofóbico, com número superior a todos os homicídios registrados na região Centro-Oeste. O risco de um gay ser assassinado no Brasil é 13 vezes maior do que nos Estados Unidos. A Presidente Dilma, pelo veto ao Kit Anti-Homofobia, por sua omissão e declarações preconceituosas, tem as mãos sujas de sangue desses homossexuais assassinados!”

De janeiro a junho de 2012 foram documentados o assassinato de 165 gays, travestis e lésbicas no Brasil: uma morte a cada 26 horas. Um aumento de 28% em relação ao primeiro semestre do ano anterior. Janeiro e abril foram os meses mais sangrentos: 33 “homocídios” respectivamente e junho o menos violento: 18 mortes. Não há explicação sociológica para tais variações.
Os gays foram os mais vitimados: 52%, seguidos das travestis 41%. As lésbicas, embora sejam o grupo menos vulnerável aos homicídios, 6% do total dos crimes, relativamente ao ano anterior, foi o grupo mais ameaçado, aumentando de 6 lésbicas assassinadas em 2011 para 10 somente neste primeiro semestre! Proporcionalmente, contudo, as travestis e transexuais, representam o grupo mais vulnerável, pois não chegando a 1 milhão de pessoas, comparativamente aos gays que ultrapassam 20 milhões, foram mortas 65 “trans” e 85 gays. O risco das travestis serem assassinadas é 15 vezes maior do que os gays.
Mortes violentas, típicas de “crimes de ódio”, com requintes de crueldade, incluindo muitas vezes tortura, empalamento, olhos arrancados, observando-se cada vez mais presente armas de fogo: 39% mortos a tiros, 28% a facadas, 25% espancamento e apedrejamento.
Em termos absolutos, São Paulo ocupa o primeiro lugar neste sangrento ranking de crimes letais: 19 homicídios, seguido da Paraíba com 15, Bahia 14, Paraná e Piauí com 10 casos, Rio de Janeiro e Alagoas, 9. Faltam informações sobre Roraima e Acre. Proporcionalmente, a Paraíba é o estado mais perigoso para os homossexuais, pois tendo população dez vezes inferior a S.Paulo, registrou 15 mortes, apenas 4 a menos que SP (19). Matam-se mais LGBT na Paraíba do que em toda a região Centro-Oeste. A mesma discrepância alarmante observa-se entre Piauí e Paraná, ambos com 10 mortes, sendo que Piauí tem população três vezes menor. Confirma-se o Nordeste como a região mais perigosa para os homossexuais, concentrando 1/4 dos “homocídios”. 60% das vítimas eram pardos e pretos, enquanto 7% eram menores de idade e 51% tinham menos de 30 anos.
Segundo o prof. Luiz Mott, fundador do Grupo Gay da Bahia, “tais assassinatos refletem sempre grave discriminação anti-homossexual, devendo ser considerados crimes de ódio, motivados pela homofobia cultural que encara os gays e travestis como delinquentes. Prova disto é que são mortas mais travestis do que mulheres prostitutas, cumprindo-se a risca ditado homofóbico repetido de norte a sul do país, “viado tem mais é que morrer!” Entre as vítimas deste primeiro semestre, Leonardo da Silva, heterossexual de 22 anos, morto a golpes de paralelepípedo na Bahia, confundido com homossexual por estar abraçado com seu irmão gêmeo. Nessa ultima semana de junho, o jovem Lucas, de Volta Redonda, 15 anos, teve seus olhos arrancados, foi empalado, espancado e jogado num rio. Em ambos os casos a polícia declarou tratar-se de crimes homofóbicos.
“Estamos fazendo o serviço que devia ser obrigação do Governo Federal, que já foi ameaçado de ser denunciado à Comissão de Direitos Humanos da OEA por sua incapacidade em documentar tais crimes e ausência de políticas públicas eficientes para tirar o Brasil do vergonhoso primeiro lugar no ranking de assassinatos de homossexuais”, declarou o advogado Dudu Michels, responsável pela manutenção desse banco de dados.

ATENÇÃO: CENAS FORTES

No link ?set=a.220390814700590.53901.100001890203583&type=3 você verá algumas fotos de vítimas da homolesbotransfobia, além do relato dos casos, lembramos também que trata-se de um albúm restrito e que é preciso solicitar participação.

>Link  

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Sonia Dangas

    Essas notícias me ferem muito pois, tenho alguem muito querido que está fora do país dele, o Brasil, por nao haver respeito aqui pelos gays e todos os outros e por essa falta de segurança.
    Aqui no paîs só com cultura e, com amor ao próximo poderemos reverter essa situaçao.
    Que Deus nos ajude. Tenho certeza que Ele nao compactua com essa situaçao horrorosas imposta aos GLBT.

    Reply
  2. Sonia Dangas

    Essas notícias me ferem muito pois, tenho alguem muito querido que está fora do país dele, o Brasil, por nao haver respeito aqui pelos gays e todos os outros e por essa falta de segurança.
    Aqui no paîs só com cultura e, com amor ao próximo poderemos reverter essa situaçao.
    Que Deus nos ajude. Tenho certeza que Ele nao compactua com essa situaçao horrorosas imposta aos GLBT.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *