Confira as atrações e ordem dos trios da 26ª Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo
   15 de junho de 2022   │     11:33  │  0

A drag queen e cantora Pabllo Vittar e a cantora e compositora Luísa Sonza encabeçam a lista de atrações da 26ª Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo, repleta de artistas pop. A Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (APOLGBT-SP) divulgou a lista nesta segunda, 13, durante a coletiva para imprensa e influenciadores. A 26ª edição da Parada acontece no domingo, 19.

Além da diva de “Triste com T” e “Ama, Sofre e Chora” e da Braba, estão confirmadas as presenças da funkeira e ex-BBB Pocah, a ícone lésbica Mc Rebecca, a cantora e também drag Aretuza Lovi, o cantor Matheus Carrilho e a diva dos memes, dançarina e cantora Gretchen. Fugindo um pouco do pop, o evento vai contar ainda com a apresentação da cantora Liniker, com seu repertório cheio de R&B e Soul.

Segue a relação confirmada de artistas para apresentações nos trios da Parada:
Trio 1 – Abertura – Famílias LGBT+ – Artistas: Mariana Munhoz
Trio 2 – Prefeitura
Trio 3 – Diversidade Lésbica – Artistas: Ana Dutra, Luana Hassen
Trio 4 – Prefeitura
Trio 5 – Diversidade Transsexual/Travesti – Artista: Nick Cruz
Trio 6 – Saúde (Aids Healthcare Foundation – AHF)
Trio 7 – Diversidade Bissexual – Artistas: Ariah e Brunelli
Trio 8 – Prefeitura
Trio 9 – Diversidade Mais – Artistas: Quebrada Queer, Thaline Karajá
Trio 10 – Artistas da Noite
Trio 11 – Diversidade Gay – Artista: Kauan Russell
Trio 12 – Vivo – Artistas: Tiago Abravanel, bloco Agrada Gregos, Gretchen e Paullete Pink
Trio 13 – Jean Paul Gaultier – Artista: JoJo Todinho, Majur e as Pitayas
Trio 14 – Amstel – Artistas: DJ Heey Cat, Mateus Carrilho, Aretuzza Love, Pocah e Luísa Sonza
Trio 15 – Burger King/Avon – Artistas BK: Pepita, Lexa, DJ Cris Negrini/Artista Avon: Ludmilla;
Trio 16 – Smirnoff – Artista a confirmar
Trio 17 – Terra – Artista: Liniker, MC Rebecca e Minoqueens
Trio 18 – Convidados Aliados
Trio 19- Diretoria APOLGBT-SP/Mercado Livre – Artista: Pabllo Vittar

 

Comentários 0

“Macho, discreto e fora do meio”: o preconceito dentro do armário
   13 de junho de 2022   │     16:44  │  0

Artigo

Por : Renan Quinalha – Professor de Direito (Instituições Judiciais e Cidadania) da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Coordenador Adjunto do Núcleo Trans Unifesp. Doutor em Relações Internacionais na Universidade de São Paulo (IRI – USP). Mestre em Teoria Geral e Filosofia do Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (FDUSP). Graduado em Ciências Sociais na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP) e Graduado em Direito pela Universidade de São Paulo (FDUSP).

Em um mundo inundado de smartphones e marcado pelo amplo acesso a novas tecnologias, notam-se mudanças profundas nos modos de vivência da sexualidade e dos afetos.

Para o bem e para o mal, a depender da perspectiva, aquele amor romântico da geração dos nossos avós entrou em extinção. Relações monogâmicas e exclusivas vão dando lugar a relacionamentos abertos ou poliamorosos. Aplicativos possibilitam encontros para todos os tipos de finalidades de modo cada vez mais objetivo e direto. A intensidade das interações parece perder em profundidade para ganhar em amplitude, com trocas cada vez mais fortuitas e menos duradouras.

Até aí, ninguém deveria ter saudade mesmo do amor romântico dos avós, quando a liberdade individual e a escolha pessoal eram suprimidas por convivências familiares ou imposições externas das quais era impossível de escapar, com uniões que deveriam durar eternamente.

No caso dos homossexuais, proliferaram os aplicativos de pegação, substituindo, em grande escala, as outras formas mais tradicionais de sociabilidade e de interação dentro dessa comunidade. E uma das figuras mais frequentes nas telas dos celulares navegando por essa modalidade de aplicativos é o famoso tipo “macho, discreto e fora do meio”.

Diversas razões estruturais ainda dificultam que as pessoas homossexuais vivam com naturalidade sua orientação sexual. A reprovação da família, a dificuldade no trabalho, o preconceito dos amigos, o bullying nas escolas, a representação caricata na televisão, enfim, uma série de instrumentos de que se vale uma sociedade machista e homofóbica para restringir as possibilidades de vivência mais plena da sexualidade e do desejo.

Assim, fazer uma crítica a esse tipo “macho, discreto e fora do meio” não tem o objetivo de querer tirar todo mundo do armário. Assumir-se, sem dúvida, é um dos atos políticos mais importantes para uma pessoa homossexual. Isso facilita a auto-aceitação e o respeito dos que estão à sua volta. Mas cada um tem um tempo e um processo próprio. Essa trajetória de cada subjetividade precisa ser lida em seu contexto e há que se ter tolerância para esse diálogo, pois a culpa geralmente é da pessoa, mas das estruturas que a oprimem.

O que não se justifica, em hipótese alguma, é a propagação de preconceitos por trás de enunciados machistas e homofóbicos. É fato que os aplicativos de pegação não inventaram os preconceitos, mas eles potencializaram e expuseram de modo mais escancarado essa dimensão tão preconceituosa no interior do universo gay.

O confinamento do sexo furtivo, sigiloso, discreto e fora do meio não foi uma escolha, mas uma imposição de uma sociedade que não aceitava a homossexualidade e não tolerava a vivência pública de outras formas de desejo e de afeto que não fossem aquelas reconhecidas pela heteronormatividade.

O que era “normal” para os gays nessa época eram as saunas, os banheiros públicos, a escuridão de becos e parques, enfim, os lugares em que eram isolados a uma distância segura e sob vigilância de uma sociedade que não os acolhia e que não permitia sua circulação em espaços mais tradicionais. Assim, não há do que se orgulhar dessa condição histórica de isolamento, felizmente cada vez menos presente, ainda que persistente.

É verdade também que os homossexuais não viveram apenas passivamente essa condição que lhes foi imposta; antes, eles ressignificaram o gueto como espaço da sociabilidade gay, das trocas e aprendizados mútuos, da realização do desejo e dos fetiches, da transgressão das cercas impostas. Enfim, transformaram essas “prisões” em um lócus de construção de identidade, de reinvenção do corpo e de solidariedade de grupo. Foi essa união que permitiu, em última instância, romper os muros dos gueto e a ocupação de espaços outrora interditados para os que desejavam pessoas do mesmo sexo.

Não foram os “machos, discretos e fora do meio” que, do aparente conforto de suas vidas duplas e clandestinas, conquistaram os direitos que nos beneficiam hoje. Foram as bichas, as afeminadas, os viados, as travestis, as pintosas que se expuseram, sofrendo mais duramente o peso da discriminação, mas abrindo mais espaço para nossa cidadania ainda incompleta.

Você não precisa ser ou agir como elas e eles. Mas você tem o dever de desconstruir os preconceitos que você dirige contra essas pessoas, ainda que tenha dificuldade para desconstruir os preconceitos que dirige contra si mesmo. Sempre lembrando, contudo, que os direitos dos homossexuais não foram encontrados dentro de um armário ou na escuridão de um gueto.

E, se hoje estamos aqui, com possibilidade de casar, adotar filhos, andar de mãos dadas nas ruas, irmos a baladas e outros espaços de sociabilidade LGBT à luz do dia, é porque essas pessoas tiveram a coragem e a ousadia de romper com os lugares que lhes eram impostos. Elas não aceitaram os limites do preconceito.

Portanto, fazer hoje essa escolha por reproduzir preconceitos como se fossem apenas “gosto” é reforçar a estigmatização que a sociedade patriarcal, machista e homofóbica impunha às gerações que nos antecederam. Em outras palavras, é introjetar a violência simbólica do macho, discreto e fora do meio, que precisa esconder sua sexualidade porque não a aceita com naturalidade.

Gosto também pode ser preconceito. E muitas vezes é exatamente isso de que se trata. Os gostos são construídos socialmente, não são dados de um desejo natural, biológico cuja origem seria insondável na alma humana. Não é por acaso que você diz não gostar de homossexuais afeminados, pouco discretos e que vivem “no meio”. Você não nasceu com essa opinião, mas foi educado pelos valores machistas e homofóbicos na sua sociabilidade a discriminar essas pessoas.

É certo que ninguém vai te obrigar a sentir tesão do mesmo modo que todos os outros sentem. Cada um tem seus fetiches e fantasias sexuais e não cabe a ninguém fiscalizar o desejo alheio. No entanto, é pertinente e necessário sim problematizar as normas, os valores e instituições que conformam nossos gostos, questionando sempre e até que ponto estamos reproduzindo papeis que deveríamos desconstruir.

Mesmo sendo “macho, discreto e fora do meio”, você pode e deve se aceitar. Mais do que apenas reproduzir a postura dos que não te aceitam, você deve é lutar para que aceitem. E, para isso, é preciso cara no sol, empatia com seus pares e celebração da memória dos que lutaram para chegarmos até aqui, sem reproduzir os valores machistas e homofóbicos que também te afetam.

Comentários 0

Tags:, , ,

Homossexualidade na terceira idade: como ela é e quais os desafios?
   11 de junho de 2022   │     15:21  │  0

Artigo

Por: Toni Reis – Graduado em Letras e Pedagogia, Especialista em Sexualidade Humana, Especialista em Dinâmica dos Grupos, Mestre em Filosofia, na área de ética e sexualidade, Doutor e Pós-doutor em Educação, LGBTIfobia na educação, Diretor Presidente da Aliança Nacional LGBTI+, Integrante do Comitê Executivo da Rede GayLatino e Diretor Executivo do Grupo Dignidade

Ter uma boa qualidade de vida na terceira idade no Brasil é uma meta nem sempre alcançada. Problemas como a violência, a falta de acesso à saúde, educação ou mobilidade são alguns exemplos da ausência de políticas públicas efetivas. E a homossexualidade na terceira idade? Para a população idosa homossexual, reforça-se ainda mais o preconceito da sociedade.

Uma pesquisa realizada pelo Grupo Gay da Bahia (GGB) denuncia que um LGBTQI+ (lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, travestis, queer e intersexuais) é agredido no Brasil a cada duas horas e, a cada 19 horas, um é assassinado.

Toni Reis*, Diretor Presidente da Aliança Nacional LGBTI+, afirma que apesar dos avanços e conquistas da comunidade, ainda há desafios a serem vencidos. “Em 1990, nós tínhamos apoio de 5% da população. Hoje, nós chegamos à 67% de apoio no Brasil. As principais barreiras são as interpretações fundamentalistas da Bíblia e a heteronormatividade”.

Quanto à homossexualidade na terceira idade, Toni alerta que a população idosa sofre duplo preconceito no Brasil, e responde a questões relacionadas ao tema.

São muitos os desafios da população LGBTQI+ no Brasil. Você poderia apontar quais barreiras socioculturais impedem o avanço dessas pautas?

Enfrentamos o preconceito, o estigma, a discriminação e a violência contra nossa comunidade. Na idade média, nós éramos considerados doentes ou éramos considerados pecadores. Muitos de nós fomos queimados na fogueira. Depois colocaram a gente como criminosos. Inclusive, ainda há 70 países no mundo onde é crime ser homossexual. Éramos considerados doentes até dia 17/05/1990, quando a Organização Mundial da Saúde retirou código 302.0. Então há esse tipo de preconceito. As pessoas acham que nós somos pecadores ou fora da norma. Existe uma norma em que o correto e normal é ser heterossexual. Essas são as duas grandes barreiras, a heteronormatividade e as questões do fundamentalismo religioso.

Quanto à homossexualidade na terceira idade, a discriminação é maior?

Sim. Infelizmente a nossa cultura promove muito a juventude e a saúde, diferententemente da cultura japonesa ou chinesa, em que os mais idosos são muito respeitados. Então, há um duplo preconceito em relação às pessoas idosas. Inclusive, acabam não saindo. Ficam mais em casa por causa dessa desvalorização da pessoa homossexual com mais idade.

Quais são os principais problemas enfrentados pela população idosa homossexual?

Como a pessoa não casa, apesar de agora já estar melhorando, tem muita gente que não tem filhos e acaba muitas vezes indo para um abrigo ou uma casa de repouso onde tem que “voltar para o armário”.  A pessoa viveu a vida inteira abertamente com sua sexualidade e, quando vai para essas casas de abrigos, muitas vezes ligados a questões religiosas, é obrigada a “voltar para o armário”. Talvez esse seja um dos principais problemas da nossa comunidade no que diz respeito à homossexualidade na terceira idade.

Há exemplos de outros países que poderíamos adotar em relação à população idosa homossexual?

Sim. Nós já temos casas de repouso na Holanda e na Espanha específicas para a comunidade LGBT. Pessoalmente, eu acho que é um gueto e talvez uma solução muito simplória. Creio que é muito importante, quando se trata da homossexualidade na terceira idade, que as pessoas possam ir para as casas de repouso onde todos respeitem a identidade de gênero e também a sua orientação sexual.

 

Comentários 0

Tags:, , ,

Paixões e amores proibidos, adrenalina e segredos: o drama de viver casamentos de fachada com mulheres
   10 de junho de 2022   │     14:27  │  0

Paixão, segredo, cumplicidade: alguns gostam de sentir a adrenalina do amor proibido e a liberdade de viver uma história longe do convencional

Décadas atrás, quando os gays da Grã-Bretanha e de outros países ocidentais tinham de enfrentar o ostracismo e viviam sob a ameaça de serem processados, muitos optaram por se casar e esconder sua sexualidade.

Mas mesmo agora, com uma aceitação crescente, alguns continuam optando pelo mesmo caminho.

Nick, que está na casa dos 50 anos, é casado com sua esposa há 30 anos. Ele é gay.

Ele acha que sua mulher suspeitava há muitos anos de sua sexualidade, mas conta que tudo veio à tona quando ele teve um relacionamento com outro homem.

“Ela (esposa) perguntou se eu queria deixá-la, mas eu não queria. Acima de tudo, ela é minha melhor amiga. Então decidimos que continuaríamos juntos como melhores amigos”, diz.

Nick não é seu nome real – muitos amigos e parentes do casal não sabem que ele é gay e ele prefere se manter anônimo para proteger sua esposa.

Ele conta que, desde o começo, o casamento não era completo, com muitas dúvidas sobre se eles haviam feito a coisa certa. Ele sempre teve dúvidas sobre sua orientação sexual, e isso se agravou com o tempo.

Como muitos outros homens nessa situação, Nick se viu vivendo uma vida dupla. Na superfície, ele era um homem em um casamento feliz. Mas ele também tinha o hábito de ver pornografia gay. E conta que há seis anos, acabou se relacionando com um amigo gay quando ambos ficaram bêbados.

Nick conta que sua esposa ficou irritada e desapontada quando ela descobriu, e que, àquela altura, ele não tinha mais como negar que era gay.

“Senti que era a oportunidade ideal para ser honesto e contar para ela sobre algo que ela já suspeitava. Então, concordamos que eu se eu não fizesse mais isso, não tocaríamos no assunto – e quando voltasse a acontecer, iríamos falar sobre isso.”

Nick admite que seria melhor para sua esposa se ele tivesse admitido antes que era gay. Ela lhe disse que estava desapontada porque ele não havia confiado nela.

“Eu ainda me sinto totalmente grato a ela todos os dias por ela ser tão tolerante”, conta.

O casal optou por permanecer junto não por conta das crianças, já que eles não têm filhos, mas, sim, pelos sentimentos que nutrem um pelo outro.

“Está tudo bem com a minha esposa. Tanto que ainda amamos um ao outro e ainda estamos juntos. Mas as coisas poderiam ter sido bem diferentes.”

Apesar de o casal continuar junto, eles agora dormem em quartos separados.

Nick prometeu à mulher que ele não vai mais ter relações sexuais com outros homens – ele diz que deve isso a ela.

Mas será que ele consegue manter sua promessa. “Espero que sim. Essa é minha intenção. Sinto como se não tivesse tido uma opção no passado, como se algo tivesse sido imposto a mim. Agora estou tomando a decisão que me parece acertada, que é manter o celibato.”

Grupo de apoio

Nick participa de um grupo de apoio chamado Gay Married Men (Homens gays casados), que tem sede na cidade britânica de Manchester e foi fundado há 10 anos. Vários homens viajam de outras partes do país para participar das reuniões.

O fundador do grupo, que prefere ser chamado apenas de John, conta que os homens são, em sua maioria, mais velhos, sendo que muitos casaram nos anos 70 e 80, quando a sociedade era mais hostil aos gays.

Mas por que então eles se casaram?

Nick conta que muitos dos participantes participam do grupo justamente para tentarem se entender.

Andy, de 56 anos, dá seu depoimento: “Alguns achavam que estavam apenas passando por uma fase e que logo encontraria uma mulher que o transformaria em uma homem de verdade, como muita gente dizia.”

John, um professor de Manchester que foi casado por sete anos, diz que ele demorou para perceber que era gay. Ele sabia que sua sexualidade era ambígua, mas ele não tinha nem vocabulário para defini-la.

“Eu não sabia como era um homem gay. Na verdade, eu sabia que os gays era afeminados. E eu não me sentia assim. Logo, eu não poderia ser gay, não é?”

‘Não existimos no mundo gay porque somos casados’

Os membros do grupo estão em diferentes estágios. Alguns apenas suspeitam que sejam gays, enquanto outros vivem ou viveram com suas esposas, sendo que algumas delas já se casaram com outros homens.

John agora é casado com um homem que é seu parceiro há 23 anos. Andy está se divorciando de sua mulher após 30 anos de casamento e quatro filhos.

“Eu ainda a amo. Nós somos muitos próximos. Somos melhores amigos – o que pode soar estranho para alguns, mas temos quatro filhos juntos…”

Mas muitos outros continuam casados seja por conta da expectativa de amigos e parentes ou porque eles têm filhos e não querem que a família se separe.

Jonh diz que muitos homens se veem desesperados e sem nenhum apoio – muitos sofrem de depressão severa.

“Já vimos muitos caírem no choro porque eles estavam decepcionados e agora estão aliviados por terem descoberto que há outros homens na mesma situação. Porque isso é parte do problema, nós somos um mito, não existimos”, conta John.

“Não existimos no mundo gay. Estamos no limite do mundo gay porque somos casados. E não existimos também no mundo hétero. Então, somos invisíveis.”

Os membros do grupo dizem que não julgam pessoas como Nick e que a mensagem principal é a de que esses homens não precisam passar por isso sozinhos.

“Há pessoas que estão conseguindo lidar com sua sexualidade e sua família. Eles ainda se relacionam com os filhos, não foram cortados do relacionamento familiar”, conta Nick.

“Eu, definitivamente, estou mais feliz agora – ser honesto com a minha mulher me tirou um peso das costas.”

Comentários 0

Tags:, , , ,

Bofe, ocó e amapô: conheça as gírias do mundo gay que estão na boca do povo
   9 de junho de 2022   │     15:29  │  0

Expressões, muitas inspiradas no candomblé, já fazem parte do ‘Aurélia’

Não é nenhum equê dizer que os bafões aquendam qualquer um! Oi? Se você se perdeu um pouco, não se preocupe que tudo será esclarecido!  Gírias despertaram a curiosidade do público que sempre bucas descobrir outras gírias do dialeto gay que já estão na boca do povo e ganharam até um dicionário específico, o “Aurélia”.

Antes de saber o significado de cada expressão, você deve estar se perguntando: de onde surgem essas gírias? Bom, as explicações são variadas e, basicamente, qualquer assunto pode servir de inspiração: uma situação em uma novela, algo que bombe nas redes sociais e até a língua africana, mais presente no candomblé e responsável pela maioria das palavras do dialeto.

Confira a lista abaixo e conheça as gírias e seus significados:

Expressões, muitas inspiradas no candomblé, já fazem parte do ‘Aurélia’

Equê = Mentira
Aquendar = Chamar para prestar a atenção; fazer alguma função
Desaquenda = Vai para lá, desaparece
Ocó = Homem
Amapô = Mulher
Babado ou bafo = Podem ser várias coisas, entre elas: discussão, conversa e fofoca
Ojo = Olhar
Aqué = Dinheiro
Otim = Bebida
Ajeum = Comida

Comentários 0

Tags:, ,